O governador Antonio Anastasia autoriza, nesta terça-feira (21), o início da terceira e última etapa das obras de modernização do estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão. Desde janeiro deste ano, o estádio está sendo adequado aos padrões exigidos pela Federação Internacional de Futebol (Fifa) para sediar os jogos da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo de 2014.
A terceira etapa é a mais complexa e prevê três importantes obras: cobertura adicional das arquibancadas; construção de uma esplanada de 70 mil metros quadrados no entorno do Mineirão, com área reservada para estacionamento coberto, restaurantes e lojas de serviço. Também será construída passarela ligando o Mineirão ao Mineirinho, que durante a Copa do Mundo funcionará como centro de apoio de mídia.
Minas Gerais cumpre integralmente o cronograma definido pela Fifa e a previsão é de que o novo Mineirão seja entregue à população até dezembro de 2012.
A modernização do Mineirão integra o conjunto de obras que o governo do Estado realiza com o objetivo de garantir conforto, segurança e mobilidade a atletas, torcedores e turistas que visitarão a capital mineira no período da Copa de 2014. A despoluição da Lagoa da Pampulha, a construção da Linha Verde, a ampliação da Avenida Antônio Carlos e a revitalização do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, também fazem parte do projeto.
Além disso, o estádio Independência, em Belo Horizonte, está sendo totalmente remodelado com o objetivo de sediar jogos dos times mineiros no período em que o Mineirão estiver fechado ao público em virtude das obras de modernização. Nova casa do futebol mineiro, a Arena do Jacaré teve sua reforma concluída em 31 de julho deste ano. O novo Independência deverá ser entregue em junho de 2011.

Gestão compartilhada
Para realizar a terceira etapa das obras do Mineirão, o governo de Minas optou pelo modelo de ?gestão compartilhada?, já adotada com sucesso em diversos países como Alemanha, Holanda, França e Cingapura. Por esse modelo, a administração do estádio será feita pela iniciativa privada com acompanhamento e fiscalização do Estado.
O parceiro privado do governo mineiro será o Consórcio Minas Arena, formado pelas empresas Construcap S.A. Indústria e Comércio, Egesa Engenharia S.A. e Hap Engenharia Ltda, vencedoras da licitação.
Pelo modelo de gestão compartilhada, o governo estadual não investirá recursos públicos diretamente nas obras da terceira etapa. O investimento estimado do consórcio para obras de modernização será de R$ 743,4 milhões. Parte dos recursos, num total de R$ 400 milhões, será disponibilizada pelo BNDES, por meio de linha de crédito especial concedido às 12 cidades sedes da Copa de 2014.
Em contrapartida, o consórcio Minas Arena, parceiro do Estado, terá o direito de explorar comercialmente o Mineirão nos próximos 25 anos, sob monitoramento e controle do Estado.
O reembolso dos recursos investidos no Mineirão à iniciativa privada se dará pela rentabilidade da operação do empreendimento, com complementação por parte do Estado em parcelas mensais, ao longo de 25 anos após a entrega das obras da terceira etapa. O valor máximo da contraprestação variável a ser repassada pelo Estado ao Consórcio Minas Arena será de R$ 3,7 milhões/mês, valor 7,5% inferior ao teto de R$ 4 milhões estimado no edital de licitação.

Indicadores de qualidade
Para garantir excelência na prestação de serviços na gestão compartilhada, foram estabelecidos em contrato alguns indicadores de qualidade que o Consórcio Minas Arena terá que cumprir. Será realizado acompanhamento permanente para garantir o nível de prestação de serviço, como grau de satisfação dos torcedores e dos clubes de futebol; qualidade da manutenção da infraestrutura; limpeza das instalações, inclusive banheiros, satisfação dos usuários (torcedores, imprensa, clubes), entre outros.
Caso o consórcio não atinja os indicadores estabelecidos, o Estado poderá impor penalidades às empresas que formam o consórcio, reduzindo a margem de receita e até mesmo interrompendo a concessão, assumindo integralmente a gestão do estádio.

Modelo sustentável
Com a modernização, o Mineirão será transformado numa arena multiuso, assegurando a sustentabilidade do estádio, gerando novas oportunidades e promovendo o aumento de rendimentos para os clubes de futebol mineiros e a melhoria da qualidade dos serviços oferecidos ao torcedor e outros frequentadores do estádio.
Além de abrigar os mais importantes campeonatos de futebol e outros eventos esportivos, o Mineirão poderá ser palco permanente de shows musicais, eventos culturais, espetáculos cênicos diversos, feiras e convenções.

Impactos econômicos da Copa 2014

Estudo desenvolvido pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da UFMG analisou de forma detalhada as projeções de impacto econômico dos investimentos para a Copa de 2014. De acordo com o estudo, a realização da obra e a operacionalização do Mineirão em parceria com a iniciativa privada permitirão mais capacidade de desenvolvimento da economia mineira, ao contrário do cenário projetado para uma obra pública com gestão do estádio pelo governo estadual.
De acordo com o estudo, a opção pela gestão compartilhada pode significar um acréscimo de 0,3 pontos percentuais no Produto Interno Bruto (PIB) e 0,5 pontos percentuais de aumento do nível de empregos.

O que já foi feito
A modernização do Mineirão começou em 25 de janeiro deste ano, com obras de correção nas vigas de sustentação do estádio. As obras, realizadas pela Retech Serviços Especiais de Engenharia Ltda., foram concluídas em junho e custaram R$ 8,2 milhões de recursos do Tesouro do Estado.
Na segunda etapa, foi feita a demolição de parte da arquibancada inferior e de toda a geral do estádio. Ainda nessa etapa, o gramado foi rebaixado em 3,4 metros para garantir mais proximidade e melhor visibilidade ao torcedor. As obras foram realizadas entre junho e dezembro de 2010, pela Detronic Desmontes e Terraplenagem, com recursos estaduais que somaram R$ 3,5 milhões.

O que muda no Novo Mineirão

Campo – Rebaixado em 3,4 metros para que a visibilidade do torcedor seja garantida em qualquer ponto do estádio. Instalada cobertura para retirar a incidência de luz solar do gramado.

Visibilidade – Com o rebaixamento do campo e remoção de obstáculos e placas de publicidade que limitavam a visão, torcedores que optarem pela arquibancada inferior verão o jogo mais de perto.

Cobertura – Todos os assentos estarão protegidos por uma cobertura em policarbonato. A nova estrutura vai melhorar as condições para transmissões de televisão.

Camarotes – Área de até 8 mil metros quadrados, com cerca de 500 assentos disponíveis. Espaço para construção de até 100 camarotes, sendo que, para a Copa, serão construídos 41, com capacidade para 8, 16 e 22 pessoas.

Estacionamento – Até 4.054 vagas, sendo 3.054 cobertas.

Lanchonetes e sanitários – 64 novos banheiros e 19 lanchonetes.

Entorno ? Uma grande esplanada de 69.190 metros quadrados circundará todo o estádio e terá capacidade para abrigar cerca de 70 mil pessoas.

Passarela – Será construída passarela ligando o Mineirão ao Mineirinho, que será usado como centro de apoio às atividades da Copa.

Vestiários – Vestiários e demais áreas reservadas a atletas e juízes terão acesso direto e exclusivo para a rua, sem que haja contato com imprensa ou espectadores.

Imprensa – A imprensa terá acesso exclusivo ao estádio. A área de trabalho ampliada com criação de estúdios de transmissão, sala de conferência, zona mista e área para entrevistas. Tribuna central terá plataforma para câmeras, capacidade para cerca de 1.500 jornalistas e convidados, mil mesas de trabalho equipadas com monitores e telefones e 160 lugares para comentaristas. Todos os assentos terão pontos de internet. Tribuna diretamente conectada ao centro de mídia no subsolo por meio da sala de controle de câmeras.

Ingressos – Serão eletrônicos. 56 guichês de atendimento. 113 baias que permitirão entrada de mais de 100 mil espectadores por hora. 176 catracas que possibilitarão acesso de todo o público em menos de uma hora. Sistema de controle de acesso eletrônico, acoplados ao sistema de vídeovigilância. Mais saídas de emergência e novas saídas para melhorar circulação interna.

Segurança – Sistema de vigilância vídeodigital, com câmeras internas e externas de suporte giratório e capacidade de zoom, operadas por uma sala de controle central.

Telão – Dois telões localizados acima das tribunas principais, com dimensões de
12 x 6,8 metros, em tecnologia LED SMD de última geração, com alto brilho e alto contraste, assegurando boa visibilidade mesmo com exposição direta à luz solar.

Subsolo ? Funcionará escritório da Fifa, vestiários e demais instalações para os atletas. Em cada lado de acesso ao gramado haverá estúdios de TV e espaço para entrevistas.

Térreo ? Serão instalados portões mais amplos, com catracas eletrônicas agilizando o acesso ao estádio. Praças de alimentação e banheiros.

Nível 1 – Área reservada para camarotes e apoio técnico. Sala de controle de som, iluminação e placares. Postos policiais com acesso independente com vista ampla para o estádio.

Nível 2 – Banheiros e áreas de alimentação que atenderão toda a arquibancada superior. Ficará nesse nível também a tribuna de imprensa.

Esplanada – Na esplanada haverá uma praça com vista privilegiada para a Lagoa da Pampulha, e o acesso do público será por escadas, rampas ou elevadores. O local terá potencial para abrigar eventos paralelos aos jogos ou quando não houver jogo.

Sob as lajes serão criados espaços com grandes vãos e pé direito duplo adequados para receber eventos. Também estão localizados nessa área estacionamentos, acessos aos camarotes, halls, lojas e áreas de apoio e logística para suprirem as demandas de funcionamento do estádio.

Imprimir
Comentários