O governo federal não cansa de registrar rombo nas contas púbicas porque continua gastando mais do que arrecada. O resultado combinado do Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social em novembro ficou negativo em R$ 21,3 bilhões, o pior já registrado na série histórica para todos os meses, iniciada em 1997.

A receita líquida no penúltimo mês do ano despencou 11,1% em relação ao mesmo intervalo de 2014, em termos nominais, enquanto a despesa cresceu 5,9%, na mesma base de comparação, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (28/12).

No acumulado do ano, o rombo foi de R$ 54,3 bilhões, o equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse dado é superior ao deficit somado em 12 meses, de R$ 53,3 bilhões, ou 0,9% do PIB. Nunca antes na história desse país um governo teve um resultado tão ruim desde 1997, quando houve a estabilização da economia com o Plano Real e se instituiu um regime mais responsável no controle dos gastos públicos.

A receita líquida do governo central somada em 11 meses teve alta nominal de 1,3% na comparação com o mesmo período de 2014. Enquanto isso, os gastos cresceram quase cinco vezes mais: 5,2%.

 

Fora da meta

Para piorar, o governo central sequer conseguiu cumprir a meta fiscal deste ano, que foi reduzida para deficit de R$ 51,8 bilhões. Esse valor, somado ao resultado dos governos regionais e ao pagamento de R$ 57 bilhões das pedaladas (atrasos dos pagamentos aos bancos públicos) do Orçamento de 2014, chega a um rombo de até R$ 119,9 bilhões em 2015.

No ano o Tesouro Nacional teve superavit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida pública) de R$ 35,1 bilhões, queda nominal de 13% em relação ao saldo positivo de R$ 40,4 bilhões. Esse dado não foi suficiente para cobrir o rombo da Previdência Social – de R$ 88,8 bilhões no acumulado em 11 meses, volume 52% superior ao registrado no ano passado. O deficit do Banco Central foi de R$ 570,1 milhões.

 

Fonte: Estado de Minas||http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2015/12/28/internas_economia,720689/governo-federal-tem-o-maior-rombo-da-historia.shtml

Imprimir

Comentários