Minas Gerais registrou redução de 10,4% no número de casos de dengue nas primeiras 23 semanas de 2009, em relação ao mesmo período do ano passado. Apesar da queda dos números, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) alerta que é necessário manter a vigilância.
?Não podemos relaxar, apesar dessa diminuição dos casos notificados, os números ainda são altos e temos três tipos de vírus circulantes, o que aumenta o potencial de novos casos e da gravidade deles?, reforça o superintendente de Epidemiologia da SES, Francisco Lemos.
Os números foram divulgados pelo Ministério da Saúde, na última quinta-feira (9), durante o lançamento da publicação ?Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue? – documento inédito com orientações para unificar as ações de vigilância e assistência em saúde para o combate à dengue nos estados e cidades brasileiras.
Conforme dados da Vigilância Ambiental da SES, foram notificados, até o momento, 63.662 casos de dengue no Estado. Houve queda de 14,15% no número de casos nas 24 primeiras semanas epidemiológicas de 2009, ao compararmos com o mesmo período do ano passado.
Francisco Lemos destaca três fatores como determinantes para a diminuição dos casos. O primeiro é a mudança climática. Com o fim do período de chuvas, há uma queda natural da proliferação das larvas. O outro fator foi a ação institucional. ?Com o plano de contingência da dengue de Minas Gerais, foi possível identificarmos, antecipadamente, as áreas com maior potencial de transmissão e agir nestes pontos?, explica o superintendente.
Já o terceiro fator é a participação das pessoas no combate aos focos de dengue. ?Para acabar com a dengue é necessário a participação de todos, não apenas a do governo?, ressaltou.

print
Comentários