A greve de servidores do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) chega à quinta semana. Ao todo, 54,5% das agências têm atendimento parcial e 17,8% estão fechadas, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Previdência Social. A mobilização afeta agências de todos os estados.

A pasta diz que 5.734 servidores (17,6% do total) aderiram ao movimento, que pede reajuste salarial de 27,5% imediato, com aumento gradual nos próximos quatro anos, além de melhorias nas condições de trabalho.

No fim da última semana, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) estimava uma adesão de aproximadamente 90%.

O Ministério do Planejamento propôs um reajuste de 21,3%, dividido em parcelas nos próximos anos, e as negociações ainda continuam.

 Minas Gerais

A greve dos servidores do INSS tem adesão de 85% da categoria em Minas Gerais, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social, Saúde, Previdência, Trabalho e Assistência Social (Sintsprev-MG). A paralisação, que é nacional, já tem quase um mês.

De acordo com Sérgio Andrade, do comando de greve do Sintsprev-MG, as negociações avançaram na última semana, quando servidores e governo federal se reuniram, mas ainda não houve um acordo.

“A gente só entende que haverá uma proposta quando houver algo por escrito. O governo ficou de entregar por escrito as propostas. Isso viabiliza discutir de maneira mais concreta”, afirmou Andrade.

Em Formiga 

Em Formiga os servidores do INSS aderiram a greve no dia 8 de julho. No município estão sendo atendidas apenas as perícias normais, pedidos de prorrogação e de reconsideração da Previdência Social. As portas da agência, segundo um dos funcionários, serão abertas para as pessoas que já estão agendadas.

Redação do Jornal Nova Imprensa G1

print
Comentários