O Sindicato dos Policiais Federais (Sinpef) realiza nesta segunda-feira (24) uma assembleia, em Brasília, que pode interromper a greve, que já dura 49 dias. De acordo com o vice-presidente do sindicato em Minas Gerais, Luiz Antônio Boudens, a tendência é que o movimento perca força diante da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, na sexta-feira, determinou que a categoria mantenha 100% de suas atividades de plantão em portos e aeroportos.
Vamos nos adequar às exigências do STJ, mas o movimento deve ser mantido. De qualquer forma, na terça-feira [amanhã], o setor jurídico do sindicato irá se reunir para decidir como recorrer da decisão, afirma Boudens.
No Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, por exemplo, os quatro servidores plantonistas teriam que trabalhar sem paralisação. Atualmente, 30% dos policiais estão em atividade no Estado. O percentual é o mínimo previsto em lei.
A liminar do STJ também ordena o atendimento das demandas da Justiça Eleitoral no primeiro e segundo turnos das eleições municipais de outubro. Em caso de descumprimento, a multa diária estipulada foi de R$ 100 mil.
Em Minas, a emissão dos passaportes segue prejudicada. Segundo Boudens, apenas 25% da demanda estão sendo atendidos. Antes da paralisação, cerca de 1.200 documentos eram
emitidos diariamente no Estado, segundo a categoria.
Os policiais federais reivindicam as reformulações da carreira e das condições de trabalho. Além disso, eles pedem o aumento do piso salarial de R$ 7.200 para R$ 11 mil. (TT)

print
Comentários