• A missão é difícil. Um grupo de empresários vai iniciar na próxima segunda-feira uma campanha para tentar diminuir o número de desempregados no Brasil. O Movimento Brasil 200 pretende criar 1 milhão de empregos ao longo de 2019.

    Dados mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que no último trimestre, encerrado em outubro, a taxa de desemprego no país caiu para 11,7%. Apesar da trajetória de queda, iniciada há sete meses, ainda há 12,4 milhões de brasileiros nessa estatística.

    O programa nacional para geração de empregos será lançado no prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que apoia a iniciativa, e contará com a participação de representantes de entidades ligadas ao setor industrial de outros estados, como Rio de Janeiro, Bahia e Sergipe, além do setor comercial, com a participação da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP).

    Sob o slogan “Empresários unidos contra o desemprego”, a iniciativa foi batizada de “Empregue + 1”. A ideia é sensibilizar os empresários do país para que cada um ofereça ao menos uma vaga para um trabalhador. Para organizar a oferta e a procura, será lançada uma plataforma on-line onde os postos de trabalho serão cadastrados pelas empresas, segundo geolocalização e perfil do candidato. Os interessados, por sua vez, poderão acessar o site e se inscrever para o processo de seleção.

    “A ideia do projeto é estimular a economia no curto prazo por meio da geração de empregos. Vimos que poderia ser uma forma de conseguir canalizar o otimismo”

    Gabriel Kanner, presidente do Movimento Brasil 200

     

    No evento de lançamento, haverá uma cerimônia simbólica de assinatura de 10 contratos de trabalho, com 10 candidatos encaminhados pelo Instituto Coca-Cola. Mas o movimento começará na segunda-feira já com um número maior de vagas.

    A Riachuelo, do empresário Flávio Rocha, confirmou que vai contratar 300 pessoas ao longo do mês de janeiro. Serão vagas em lojas, nas fábricas e no escritório onde funciona a matriz da companhia, em São Paulo. Outro nome do varejo, Luciano Hang, da rede Havan, prometeu oferecer 5 mil vagas durante o ano de 2019, por conta da programação de abertura de lojas.

    Gabriel Kanner
    (foto: Divulgação)

    Apesar de o lançamento da campanha ser no prédio da Fiesp, a ideia, segundo o presidente do movimento, Gabriel Kanner, é fazer ações todos os meses em diferentes estados com o objetivo de descentralizar a iniciativa e chamar a atenção de mais empresários. “Quando começamos os contatos para esta campanha, recebemos e-mails de várias regiões. Teve empresário do Acre pedindo informações com a intenção de ajudar”, lembra Kanner.

    Com o programa de geração de empregos, o movimento acredita que poderá se tornar um marco histórico ao não negociar contrapartidas governamentais para a geração de empregos. Com isso, pretende se manter como uma iniciativa privada e independente dos cofres públicos. A intenção é ajudar na construção de um ambiente de negócios mais saudável e assim tentar pavimentar a trajetória de crescimento econômico no próximo governo.

    “A ideia do projeto é estimular a economia no curto prazo por meio da geração de empregos. Vimos que poderia ser uma forma de conseguir canalizar o otimismo”, explica Kanner. Para o representante da organização, até agora faltou iniciativa ao setor produtivo.

    “Nos últimos anos, o que vimos foi um empresariado desunido e omisso, por isso achamos que era o momento de criar o movimento. Agora, com a campanha, queremos dar capilaridade à proposta de geração de empregos e garantir uma injeção de ânimo no curto prazo”, explica.

    Apesar de o lançamento da iniciativa contar com o apoio da Fiesp e de outras federações da indústria, o movimento pretende engajar todos os setores da economia, como comércio, agricultura, serviços e turismo.

    A geração de empregos, defende Kanner, pode ser a “locomotiva” para a retomada do crescimento da economia. “Essa é uma agenda independente do governo. Estamos dando um voto de confiança ao novo governo e torcemos para que dê tudo certo. Essa será a nossa colaboração.”

    Articulação 

    Apesar de dizer que guarda distância do novo governo, o projeto de geração de 1 milhão de vagas foi levado à equipe de Jair Bolsonaro (PSL), apoiado por vários integrantes do Movimento Brasil 200 (como Luciano Hang, o mais enfático entre os empresários no time do ex-militar). Joyce Hasselmann (PSL), deputada federal eleita por São Paulo, está ajudando na articulação do movimento com o presidente eleito.

    “Mas o movimento é do setor produtivo, apartidário, com uma pauta própria, reformista. Apoiaremos o que for convergente com essa pauta. Mas também temos um braço político, que atua por meio do apoio a uma frente parlamentar”, esclarece o presidente do grupo.

    Kanner está otimista com o potencial da campanha. Ele lembra que o Brasil tem cerca de 22 milhões de CNPJs. Se pelo menos 5% desse universo oferecer mesmo que apenas uma vaga de trabalho, será possível chegar à meta de 1 milhão de postos. A intenção é ir além das grandes empresas e incluir também as pequenas, médias e as multinacionais com atuação no país.

    Gabriel Kanner é sobrinho de Flávio Rocha e deixou um cargo no setor de artigos esportivos da Riachuelo para se candidatar pelo PRB à Câmara dos Deputados (conseguiu 27.324 votos, mas não se elegeu). Além do Movimento Brasil 200, conta ter afinidade com o ativismo social. Tanto que deve aproveitar seus contatos na área para divulgar o programa também entre aqueles que procuram emprego e evitar que a ação acabe tendo efeito apenas entre os empresários.

    “Pretendo cuidar dessa parte dentro do movimento e divulgar o programa entre as ONGs. Também vamos estudar a possibilidade de contar com a ajuda de entidades para que nos ajudem a chegar até as pessoas com maior vulnerabilidade social e que estão procurando emprego. São pessoas que têm pressa e assim podemos ajudá-las mais rapidamente. Há muita mão de obra boa querendo trabalhar, mas faltam oportunidades”, afirma.

    Quem faz parte do Movimento Brasil 200

    Continua depois da publicidade

    Alguns dos nomes que compõem o grupo empresarial que defende  a pauta liberal, com uma participação menor do Estado

    Edgard Corona: fundador da Smart Fit e dono do Grupo Bio Ritmo, que tem unidades no Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e República Dominicana

    Alberto Saraiva: fundador e presidente da rede de restaurantes Habib’s, preside também a rede Ragazzo, da Arabian Bread, da Ice Lips, da Promilat, e da Vox Line

    Geraldo Rufino: empresário fundador da JR Diesel, maior empresa de reciclagem de caminhões do Brasil

    Luciano Hang: empresário catarinense fundador da Havan, uma das maiores redes de lojas de departamentos do país, com cerca de 12 mil empregados

    Sonia Hess: empresária, foi presidente da camisaria catarinense Dudalina por 12 anos

    Flávio Rocha: empresário e CEO da rede Riachuelo e da Midway Financeira, que fazem parte do Grupo Guararapes junto com as Confecções Guararapes Transportadora, Casa Verde e Shopping Midway Mall. Emprega por volta de 40 mil pessoas

    Sebastião Bomfim: fundador do Grupo SBF, detentor das marcas Centauro, By Tenis e Almax, e operador das lojas Nike Store no Brasil

    Roberto Justus: administrador, publicitário, empresário, apresentador de televisão. É chairman do Grupo Newcomm, holding das agências Y&R Grey Brasil, Wunderman, VML e Red Fuse e a empresa Ação Premedia e Tecnologia

    João Apolinário: presidente, proprietário e fundador da Polishop

    José Victor Oliva: presidente do conselho da Holding Clube, grupo que reúne seis empresas de comunicação e marketing promocional (Banco de Eventos, Rio360, Samba.pro, Lynx, Cross Networking e The Aubergine Panda)

    Giuliano Donini: presidente da Marisol, dona de marcas como Mineral, Pakalolo e Rosa Chá

    Marcelo Alecrim: presidente da ALE Sat e sócio-proprietário e presidente da ALE Combustíveis, quarta maior distribuidora de combustível do país

    Ericsson Luef: presidente da Hemmer, uma das maiores empresas do setor alimentício do país

    Pedro Thompson: presidente da Estácio, do setor de educação

    Ronaldo Pereira Junior: presidente da Óticas Carol, a maior rede de óticas do país

    Renato Feder: administrador de empresas, cofundador do Ranking dos Políticos, que avalia o desempenho de senadores e deputados federais. Atualmente, é sócio e CEO da Multilaser e CEO da Aluno 10, empresa de tecnologia educacional aplicada ao reforço escolar

     

 

Fonte: Estado de Minas||https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2018/12/14/internas_economia,1013173/grupo-de-empresarios-faz-campanha-para-gerar-empregos.shtml

print

Comentários