Por conta da estiagem, alguns municípios do Centro Oeste de Minas Gerais estão em alerta para uma eventual falta d’água. Em 2017, a região registrou três meses sem chuva. A última chuva registrada ocorreu em maio, segundo informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A situação é de alerta em Dores do Indaiá, Bambuí, Carmo do Cajuru e Formiga. Em Divinópolis, alguns produtores rurais afirmam que a estiagem já começou a prejudicar a colheita.

É o caso da agricultora Rosângela Maria Tavares, moradora da Comunidade Rural do Inhame. No ano passado, a lavoura dela teve uma queda de 50% na área plantada de hortaliças folhosas e o prejuízo chegou a comprometer 70% da renda da produtora. Agora, segundo ela, a situação volta a se repetir.

“Está começando a faltar água de novo. Temos, mas é bem pouco e minha plantação já diminuiu bastante. Estamos até precisando plantar mais hortaliças, mas estamos esperando chover para não ter risco de perder a produção, como foi no ano passado”.

A situação é parecida na fazenda de Gilberto Ferreira Batista, localizada na Comunidade Rural do Choro, em Divinópolis. Contudo, ele afirma que tenta manter a colheita apesar da falta de chuva.

“Até agora, temos conseguido controlar. Apesar de não chover há bastante tempo, a chuva do começo do ano encheu bastante as lagoas. Mas as lagoas aqui [da fazenda] já estão na metade. Precisamos da chuva [para trabalhar] mas como ela não veio até agora, vamos trabalhando com o que tem apesar das lagoas continuarem secando”, disse.

Em Formiga, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) anunciou, na última terça-feira (10), que deve começar a construir cinco novos poços artesianos na cidade até o final de julho para reforçar o abastecimento de água.

Devido à estiagem enfrentada em 2017, o município chegou a decretar situação de emergência no dia 15 de setembro, quando o nível do Rio Formiga ficou 60% abaixo do considerado adequado. Até agora, segundo a Prefeitura, a situação está sendo acompanhada pelo município e é considerada normal. Contudo, o município disse que está em alerta para evitar desabastecimentos.

Em Dores do Indaiá a situação é parecida. Conforme a Prefeitura, a última chuva registrada no município foi em maio e, por causa disso, a situação vem sendo acompanhada de perto e, caso não chova na cidade até o final de julho, o abastecimento pode ser comprometido.

Bambuí, Divinópolis e Carmo do Cajuru informaram que os rios que correm nas cidades estão com os níveis abaixo do normal devido ao baixo índice pluvial registrado desde maio e que funcionários acompanham a situação, que é considerada normal até agora.

Em Formiga, reservatório chegou a ficar 60% abaixo do normal em 2017 (Foto: Prefeitura de Formiga/Divulgação)

Imprimir

Fonte:

G1