Hoje, dia 3 de maio, é o Dia Mundial de Combate à Asma. Médicos de todo o Brasil se mobilizaram para prestar à população esclarecimentos sobre essa doença que acomete 10% a 25% da população brasileira, sendo responsável, anualmente, por 400 mil internações hospitalares (Datasus 2001), 2.500 óbitos e um número incontável de atendimentos ambulatoriais, principalmente, em salas de urgência e de faltas ao trabalho e à escola.
Durante a semana, os especialistas da ASBAI, que apoiam o movimento do Dia Mundial da Asma e que promovem a Campanha 07 de Maio ? Dia Nacional de Prevenção das Doenças Alérgicas, prepararam um série de ações voltadas à população em 21 estados brasileiros. Saiba mais sobre essa grande ação:
A iniciativa é desenvolvida em 21 estados brasileiros e tem como objetivo alertar a população sobre as doenças que afetam hoje cerca de 30% de brasileiros, além de apoiar o evento mundial, comemorado no dia 04 de maio, em combate à asma, doença que acomete 10% a 25% da população brasileira, sendo responsável, anualmente, por 400 mil internações hospitalares, 2.500 óbitos e um número incontável de atendimentos ambulatoriais, principalmente, em salas de urgência e de faltas ao trabalho e à escola.
A rinite alérgica também é considerada um fator de risco para a asma. Segundo os especialistas, a doença compromete até 30% da população. Cerca de 80% das pessoas asmáticas também sofrem de rinite que, se não for tratada adequadamente, pode piorar as crises de asma. Os sintomas da rinite são: entupimento nasal, coriza, espirros e coceira, que aparecem com frequência no nariz, garganta e olhos. A doença é a mais comum na infância, atinge cerca de 40% da população pediátrica. A rinite também pode levar a complicações como otites, sinusites, roncos, respiração bucal e alterações na posição dos dentes; por isso, é muito importante que, quando houver a necessidade de tratamento dentário, seja investigada e tratada a rinite alérgica. As crises respiratórias tendem a piorar ainda mais com a chegada do outono e do inverno.
De acordo com os especialistas da Asbai a maneira mais eficaz de controlar essas doenças é o diagnóstico e tratamento adequado, seguidos por um especialista em alergia.

Imprimir
Comentários