Estevão Bruno Oliveira Silva, de 29 anos, que matou a mulher asfixiada no bairro Jardim Alvorada, na Pampulha, foi condenado a 11 anos e quatro meses de prisão. A sentença foi lida após o homem ir à júri popular nessa sexta-feira (14).

Estevão foi preso em 2020 e estava detido desde então. Ele é responsável pelo assassinato de Grazielle Serra Pereira, de 32 anos, que foi estrangulada, por volta de 4h, na própria cama. Silva confessou o crime e disse que foi “uma fatalidade”, por causa de uma traição da esposa. 

Após cometer o crime, o suspeito saiu da casa de carro e deixou a filha do casal na casa de uma irmã dele e disse que “desgraçaria” a vida de Grazielle por ter descoberto uma traição dela. A mulher ligou para a irmã da vítima pedindo que ela fosse ver como Grazielle estava, já que o irmão tinha deixado a filha do casal na casa dela e feito a ameaça. A irmã encontrou Grazielle já morta. 

De acordo com a Justiça, sete testemunhas foram ouvidas e informaram que o casal estava junto há 10 anos e que tinham uma relação bastante conturbada. Familiares contaram que o acusado era muito ciumento, e a mulher já tinha pedido o divórcio, porém ele não aceitava. 

Pela denúncia do Ministério Público de Minas Gerais, a ex-mulher de Silva poderia ter participado do crime já que teria o instigado a tomar uma atitude diante das traições. No entanto, a juíza do 2º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, Âmalin Aziz Sant’Ana não viu indícios de participação da mulher e, portanto, ela não responderá por nenhum crime. 

Fonte: O Tempo

print
Comentários