Para algumas pessoas ele é adorado, pois os dias mais longos da estação podem ser mais aproveitados. Porém, para outras é odiado, devido ao mal-estar e desconforto causado pela mudança no organismo. Em 2012, o horário de verão iniciará no dia 21 de outubro e chegará ao fim a zero hora do dia 17 de fevereiro de 2013. A população das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste deve adiantar seus relógios em uma hora.
Embora a alteração no horário de verão exista há 26 anos, muitas pessoas ainda têm dificuldades para se habituar à mudança. ?O nosso organismo está acostumado com uma rotina já estabelecida. Cada pessoa possui um ciclo circadiano, que é o período de 24 horas, influenciado pela luz solar e agora é necessário construir outro hábito?, explica o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Cleverson de Macedo Gracia.
Os principais efeitos causados pelo horário de verão em algumas pessoas são: insônia, sonolência diurna, cansaço, fraqueza muscular, dores de cabeça, mau humor, ansiedade, alteração do apetite, diminuição na capacidade de concentração e irritabilidade. ?Pessoas que percebem esses sinais devem interromper brevemente o que estão fazendo (se possível)?, ensina o neurologista e completa: ?Dormir cedo, praticar exercícios físicos, ingerir líquidos, cafeína e apostar no convívio social ajudam a resolver o problema?.
Para se manter longe do mal-estar, provocado pela mudança de horário, muitas pessoas começam a praticar exercícios físicos. Com os dias mais claros no final da tarde, há mais tempo para as atividades. Mas, de acordo com o cardiologista do Hospital Nossa Senhora das Graças Alexandre Alessi, é necessário procurar um médico para verificar as condições físicas. ?Algumas atividades exigem uma boa saúde e integridade cardiovascular. Muitas pessoas podem ter alguma doença e não sabem, correndo o risco de sofrerem complicações. Por isso, é prudente procurar um especialista?, alerta.
Durante a consulta médica será analisado a história clínica do paciente e a realização de alguns exames, entre eles: exame físico completo, eletrocardiograma, teste ergométrico e ecocardiograma color dopller. ?Após a constatação que está tudo bem com o atleta de verão, ele deverá ter uma programação e um cronograma progressivo para realizar atividades físicas?, enfatiza o médico.
Porém, é necessário considerar sua capacidade física e a modalidade de exercício que será realizada. ?Uma recomendação inicial seria de atividade aeróbica de 30 minutos diária para começar, verificando sempre se há sintomas de cansaço. O uso de frequencímetros ou monitores de frequência cardíaca pode ajudar?, explica Dr. Alessi.
Para o neurologista, quem mais sofre com as mudanças de horário são as crianças e os idosos, pois são organismos menos resistentes a variações do cotidiano. A boa notícia é que o mal-estar passa rapidamente, em no máximo três dias. ?Qualquer dificuldade para administrar a rotina de descanso deve-se procurar um especialista?, enfatiza o médico.

print
Comentários