Na tarde de sexta-feira (29) um senhor de 79 anos foi preso após denúncia de que o mesmo promoveria rinhas de galo.
No local indicado, rua Eliza Gomes, no bairro Sagrado Coração de Jesus, policiais de meio ambiente, munidos de mandado judicial, revistaram a residência e encontraram 7 galos bastante feridos, o que comprova que os animais eram utilizados nas brigas.
Ainda foram encontrados um cercado (ringue) e medicamentos utilizados para tratar os animais, após as rinhas.
O idoso foi conduzido para a Delegacia de Polícia e todos os animais foram encaminhados para a fazenda do Unifor ?MG, onde estão sendo tratados pelos alunos e profissionais do local.
Rinhas de galo
A legislação brasileira de proteção ao meio ambiente ((Lei 9.605, artigo 32) define como crime a promoção da atividade popularmente conhecida como rinha de galo. Tal atividade consiste na promoção do embate entre dois animais, os chamados galos de briga, e é normalmente acompanhada por cidadãos que realizam apostas. Essa prática pode render para o cidadão de três meses a um ano de prisão. Podem responder pelo crime de rinha de galo os proprietários dos animais, o dono do local onde a prática é realizada, bem como os eventuais apostadores. E o pior, nenhum cidadão pode alegar o desconhecimento da Lei em sua defesa.

Imprimir
Comentários