O Irã anunciou, nesta segunda-feira (4), que está operando 60 centrífugas avançadas do tipo IR-6, o que representa mais uma violação do acordo nuclear firmado em 2015 com várias potências mundiais.

O número de centrífugas avançadas em operação no país é, agora, o dobro do que era previamente conhecido.

O chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, anunciou, ainda, que os iranianos trabalham em protótipos de uma outra centrífuga, a IR-9, ainda mais avançada que as IR-6.

Uma centrífuga do tipo IR-6 consegue produzir urânio enriquecido dez vezes mais rápido que os aparelhos IR-1, que eram os permitidos sob o acordo. Já a centrífuga IR-9 seria capaz de trabalhar 50 vezes mais rápido que as IR-1.

O trato com as potências mundiais determinava que o Irã só poderia usar 5.060 centrífugas IR-1 para enriquecer urânio, girando rapidamente gás hexafluoreto de urânio.

Ao iniciar as centrífugas IR-6, o Irã reduziu ainda mais o prazo de um ano estimado por especialistas, segundo a Associated Press, como sendo suficiente para que Teerã construa uma arma nuclear, caso queira.

Quebra de acordo

O país persa aceitou firmar o pacto com Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha em troca de que a ONU suspendesse as sanções contra o país.

Em maio do ano passado, entretanto, o presidente americano, Donald Trump, retirou os Estados Unidos do acordo. Em retaliação, o governo iraniano vem quebrando várias partes do pacto. Em setembro, o país abandonou os limites para pesquisa e desenvolvimento nuclear, e, em julho, ultrapassou o limite do estoque de urânio enriquecido previsto no trato.

 

Fonte: G1 ||
Imprimir
Comentários