Na Itália, crianças foram orientadas a não comparecerem à escola a partir dessa terça-feira (12) a menos que possam provar que foram adequadamente vacinadas.

O fato segue meses de debate nacional sobre a vacinação compulsória e vem na esteira de um surto de casos de sarampo no país.

Sob a chamada lei Lorenzin, batizada em homenagem à ex-ministra da Saúde Beatrice Lorenzin, que ocupou o cargo entre 2013 e 2018 e propôs a lei, as crianças devem receber uma série de imunizações obrigatórias antes de frequentar a escola. Elas incluem vacinas contra catapora, poliomielite, sarampo, caxumba e rubéola.

De acordo com as novas regras, crianças com idade até seis anos serão excluídas do berçário e jardim de infância sem comprovação de vacinação.

Já crianças e adolescentes que têm entre seis e 16 anos não podem ser proibidos de frequentar a escola, mas seus pais terão que pagar multa de 500 euros se não tiverem tomado todas as vacinas obrigatórias

Foto: Infografia: Karina Almeida/G1

IMPRIMIR

Fonte:

G1