A vida do padre formiguense Fábio de Melo está sendo escrita pelo jornalista da Rede Globo, Rodrigo Alvarez.

O livro sobre o sacerdote tem previsão para ser lançado no fim deste ano, pela editora Globo Livros.

Rodrigo Alvarez ouviu falar pela primeira vez do padre Fábio de Melo  em 2013. Ele era correspondente da Globo em Jerusalém e estava fazendo no local uma reportagem sobre a escolha do papa Francisco.

Disse a ela que o propósito da matéria era outro e que me perdoasse, mas não conhecia o padre de quem ela falava. Estou fora do Brasil desde 2006, com uma passagem rápida por São Paulo e, de fato, estava mal informado sobre os padres que estavam mudando os rumos da religião no Brasil” disse Rodrigo Alvarez.

Tempos depois, Alvarez conheceu pessoalmente o padre Fábio de Melo no hotel mantido pelo Vaticano em frente aos muros da Cidade Velha de Jerusalém. “Fiquei encantado com as posturas do padre Fábio sobre questões complexas religiosas e humanas. Acho que ele também gostou de ver meus pontos de vista, e ficamos amigos”, conta ele, que acaba de ser transferido para Berlim, capital da Alemanha, no posto de correspondente da Globo.

Para o jornalista, não foi ele quem escolheu escrever a biografia do padre e, sim, a vida. “Nosso encontro mostrou que havia uma afinidade muito grande entre nós dois, mesmo ele sendo padre e eu um escritor e jornalista. Poucos dias depois do nosso encontro, mesmo sem saber quase nada da história de vida dele, senti que queria contar aquela biografia”, diz.

Numa conversa por aplicativo, o jornalista fez a proposta – de impulso – ao religioso e ele aceitou na hora, dizendo que já havia recusado outras propostas, mas que naquele momento estava seguro para aceitar o desafio. “E haja desafio! Em alguns momentos foi difícil para ele reviver um passado que nem sempre foi cheio de músicas e alegrias, começando pela vida difícil da família Silva em Formiga, Minas Gerais”, disse Rodrigo Alvarez.

A biografia tem como base mais de um ano de conversas com o padre, em mais de 100 horas gravadas. “Algumas vezes dentro de aviões, pois era o que a vida agitada nos permitia, outras numa procissão em Belém, outras num bairro de judeus ultraortodoxos em Jerusalém, outras por aplicativos. E dessas conversas, além das lembranças de tudo o que o padre viveu antes de ser o Fábio de Melo que nós conhecemos, surgiram grandes discussões filosóficas sobre questões humanas e divinas, que vão ser uma parte importante do livro”, adianta o jornalista.

O livro sobre a trajetória de Fábio de Melo merece ser feito, segundo Alvarez, pelo fato do padre ser complexo em sua religiosidade e humanidade. “Querer simplificá-lo, como alguns que o chamam de padre-cantor ou padre-celebridade, é mera ignorância. Para mim o maior mérito de Fábio de Melo é mostrar que é possível ser católico e moderno, sem precisar fechar os olhos ao mundo em que vivemos, sem precisar seguir regras sem sentido”, avalia.

“O padre que me fez querer escrever minha primeira biografia tem conteúdo de sobra, honestidade, simpatia e uma força impressionante que vem mudando a vida de pessoas dentro e fora do Brasil. O livro vai mostrar isso com muita clareza”. Concluiu Rodrigo.

print

Comentários