A última denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) na sétima fase da Operação Lava Jato, foi aceita pelo juiz federal Sérgio Moro nesta quarta-feira (17).
Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras; Fernando Soares, lobista conhecido como Fernando Baiano; e Júlio Camargo, executivo da Toyo Setal, passaram a ser réus no processo. A Justiça aceitou também, denúncia contra o doleiro Alberto Youssef, que já virou réu em outras ações. Eles serão acusados de participação em crimes como lavagem de capital entre 2006 e 2012 e corrupção contra o sistema nacional, conforme a denúncia.
Segundo o MPF, Nestor Cerveró e Fernando Baiano são suspeitos de receber US$ 40 milhões de propina nos anos de 2006 e 2007 para fazer o intermédio das contratações de navios-sonda para a perfuração de águas profundas na África e no México. Ainda de acordo com a denúncia, Fernando Baiano era representante de Nestor Cerveró no esquema.
Procurado pela reportagem, o advogado que defende Nestor Cerveró, Edson Ribeiro, disse não ter conhecimento da decisão e ainda afirmou que seu cliente não tem envolvimento algum com Fernando Baiano e nem com o esquema de investigação da Lava Jato.
Já os advogados que defendem o lobista Fernando Baiano e o doleiro Alberto Yousseff, foram procurados pela reportagem, mas não atenderam as ligações.

print
Comentários