O “serial killer do DF”, Lázaro Barbosa Sousa, de 32 anos, foi morto com, ao menos, 38 tiros na manhã desta segunda-feira (28), após confronto com policiais da força-tarefa que passaram 20 dias o caçando em Águas Lindas, Goiás. A informação é do secretário de Saúde do município, Rui Borges, que completou afirmando que ele chegou sem vida ao hospital. 

“Quando ele chegou [ao hospital], já estava sem vida. Nós contamos 38 marcas de tiro. É um cálculo aproximado ainda”, declarou. O corpo de Lázaro será encaminhado para necropsia no Instituto Médico Legal (IML) em Goiânia. 

O homem é suspeito de ter matado três pessoas de uma mesma família, sequestrado outras. Ainda, é investigado por estupro e outro homicídio. Ele havia sido preso em 2018, mas estava foragido. 

“As investigações não acabam aqui. Ainda temos pessoas para investigar e prender. Agora, sai a força intensiva e fica o trabalho investigativo. Vamos até descobrir todos os envolvidos”, declarou o secretário de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), Rodney Miranda, em coletiva de imprensa.

O chefe da pasta disse que há indícios de que havia pessoas que o acobertavam na região. “Temos informações que ele atuava como jagunço e segurança de algumas pessoas. A questão dele querer fugir, patrocinado, logicamente, mostra que ele tinha uma rede que lhe acobertava. Com gente não interessada na prisão dele.”

“Ele foi encontrado com 4,4 mil no bolso. Mais uma prova de que tem gente acobertando ele e dificultando o trabalho das forças policiais”, completou o secretário. Miranda confirmou que a ex-mulher e a ex-sogra de Lázaro foram ouvidas.

Fonte: O Tempo

print
Comentários