Da Redação

Desde o dia 10 de outubro de 2017 está em vigor o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ajuizado pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) entre a Santa Casa de Caridade de Formiga e os nove municípios que integram a microrregião de Saúde. São eles: Formiga, Córrego Fundo, Pimenta, Iguatama, Tapiraí, Medeiros, Bambuí, Córrego Danta e Pains.

O TAC prevê um cofinanciamento entre os municípios que integram a rede para manutenção dos atendimentos de urgência e emergência da entidade de Saúde.

O termo determina repasses de R$1 por habitante das nove cidades, o equivalente a R$132.315/mês.

Porém, a cidade de Iguatama não vinha realizando os repasses, o que levou o Ministério Público, na pessoa da promotora Clarissa Gobbo dos Santos, a ajuizar ação para que os pagamentos sejam retomados imediatamente. A liminar favorável à Santa Casa foi deferida na terça-feira (28), pelo juiz Rafael Carneiro, da 2ª Vara Cível da Comarca de Formiga.

O portal Últimas Notícias entrou em contato com a Prefeitura de Iguatama para entender o motivo da suspensão e foi direcionado a falar com o 1º secretário da cidade, de nome Ricardo, mas o mesmo não atendeu/retornou as ligações.

O UN também buscou informações junto à Santa Casa para saber há quanto tempo Iguatama não vinha realizando os repasses e se as demais cidades estavam em dia com o que determina o TAC. 

A informação repassada pela Assessora de Comunicação da entidade, Jordana Heloísa, é de que, segundo o Departamento Jurídico da Santa Casa, os pagamentos foram interrompidos por Iguatama ainda no final de 2019 e que os demais municípios estão em dia com os repasses após receberem recomendação do Ministério Público.

Imprimir
Comentários