O livro “A Chama do Réptil”, do escritor formiguense Ariálisson Freitas será lançado no dia 18 deste mês.  O evento será às 19h, no Centro Cultural Claudinê Sílvio dos Santos (Casa do Engenheiro) e é aberto ao público.

Essa é a segunda obra do escritor e faz parte da série “O Mistério da Mata da Alpineia”. Nessa aventura, Pedro e seus amigos tentam desvendar os segredos que envolvem incêndios em plantações de uma aldeia indígena.

Eles vão descobrir que as ocorrências estão relacionadas a uma criatura mágica do folclore brasileiro. A obra trata de temas como a preservação da natureza, construção de amizades e é destinada ao público infantojuvenil.

Ariálisson se inspirou no folclore brasileiro para criar o mundo fantástico da Mata da Alpineia, uma floresta natural preservada pelos moradores de seu entorno. “Eu cresci lendo literatura estrangeira e conhecendo criaturas mágicas de diferentes culturas”, revela. “Um dia eu pensei em criar uma história valorizando os elementos nacionais e surgiu essa série.”

“O Mistério da Mata da Alpineia” já tem uma edição intitulada “Laços de Sangue”, que foi publicada em 2016 de maneira independente. “A Chama do Réptil” integra o selo Yolo da Páginas Editora. O escritor conta que as histórias apresentam uma sequência de eventos, mas são independentes e podem ser lidas individualmente. “É mais ou menos como o ‘Sítio do Pica-Pau Amarelo’, de Monteiro Lobato, ou ‘Diário de um Banana’, de Jeff Kinney. Os livros têm uma sequência, mas se você ler fora de ordem consegue entender a história tranquilamente”, explicou Ariálisson.

As duas obras estarão à venda no dia do lançamento.  A primeira no valor  de R$30 e R$36 para o lançamento. O escritor convida toda a comunidade formiguense a conhecer a história. O evento conta com o apoio da Secretaria de Cultura, e faz parte das ações de divulgação da literatura formiguense.

O escritor

Ariálisson Freitas é secretário executivo da Escola de Música da UFMG há dez anos e, atualmente, mora em Belo Horizonte. Graduou-se em letras pelo Unifor-MG em 2008 e participou como organizador e colaborador na antologia “Letras”, publicada em 2007.

Ele foi estagiário da revista “a par” entre 2006 e 2008, onde contribuiu como redator até o ano de 2010. Foi colaborador no projeto de extensão “Práticas de redação com uso de escrita criativa” no IFMG campus Formiga em 2016 e 2017.

Imprimir

Fonte:

Decom