Uma série de pontos luminosos em linha no céu do Rio Grande do Sul chamaram a atenção de muitos gaúchos nessa sexta-feira (6). Apesar de muitas especulações nas redes sociais, especialistas garantem que o fenômeno, na verdade, se trata de satélites artificiais.

No Twitter, um morador de Independência, no Noroeste do estado, pediu aos seguidores que olhassem para o céu para ver uma série de luzes em linha. Outro citou muitos pontos passando enfileirados para a mesma direção, e questionou até mesmo a Nasa pelo fenômeno.

Teve quem descrevesse as luzes em formato de um arco, de um lado do céu até o outro, e desconfiasse de drones. E um porto-alegrense até brincou com a situação: “Será que os aliens atenderam meu pedido de resgate?”.

Nem drones, nem fenômenos naturais, nem ovnis (objetos voadores não-identificados). Os pontos luminosos, segundo o professor Carlos Fernando Jung, diretor científico da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), são satélites Starlink, da SpaceX, empresa de tecnologia aeroespacial de Elon Munsk.

“Os satélites Starlink, da SpaceX, tem por finalidade criar uma rede para que, no futuro, ofereçam internet para todo o mundo”, diz o professor Jung.

O objetivo do projeto Starlink é desenvolver uma plataforma de satélites de baixo custo e alto desempenho. Esta constelação de satélites artificiais está em órbita terrestre baixa, ou seja, entre 350 e 1,15 mil km de altura. Por isso, são visíveis a olho nu e, pela primeira vez, no céu do Rio Grande do Sul.

“Como em outros lugares, as pessoas acharam que eram ovnis. Estão se deslocando em linha, isto causa curiosidade”, avalia o professor.

Satélites Starlink, da SpaceX, registrados por telescópio em Taquara — Foto: Observatório Heller & Jung / Divulgação
Imprimir

Fonte:

G1