Por Lorene Pedrosa

Uma criança de 9 anos se feriu após uma queda que ocorreu durante a aula de educação física realizada no fim da tarde de quarta-feira passada (7) na escola Caic, em Formiga.

Segundo relatos da autônoma Adriana Correia, mãe da aluna que cursa o 4º ano do ensino fundamental, a filha caiu ao ser empurrada por um dos colegas, batendo o rosto no chão.

Após o acidente, apesar dos colegas de turma informarem ao professor sobre a queda, a aluna foi orientada apenas a tomar água. Como a aula já estava no fim, a criança que mora no bairro Geraldo Veloso, foi encaminhada para o ônibus e levada para a casa, como de costume.

Apesar de afirmar que quedas entre crianças são normais e ocorrem até mesmo dentro de casa, Adriana se indignou com o que chamou de negligência por parte da escola ao não acioná-la após o ocorrido e por não levarem a criança até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). “Quando tudo aconteceu eu estava justamente na UPA com meu filho mais novo. Não me ligaram e não ligaram para o meu marido. Cheguei em casa após as 19h e a minha filha já estava dormindo. Quem me contou o que aconteceu foi a minha filha mais velha que ficou preocupada em ver como estava o rosto da irmã”, disse a mãe que afirmou ter ficado assustada quando viu que a menina estava com o olho direito muito roxo, tendo ainda, alguns machucados pelo rosto.

No dia seguinte, indignada, Adriana foi até a escola, mas não obteve explicações sobre o ocorrido. Apenas informaram que tentaram ligar para ela e que a mesma não havia atendido o celular e que no momento da queda foi verificado que a criança não estava ferida. “Disseram que me ligaram e não é verdade, não há registros. Posso inclusive acionar a operadora para provar que não recebi chamada alguma naquele dia. Lá também tem o número do meu marido e não telefonaram para ele. Além disso, as fotos são mais que suficientes para mostrar que a minha filha se machucou muito”, disse Adriana, que acionou a Polícia Militar após comparecer à escola e não ter o problema resolvido, registrando o Boletim de Ocorrências de número 010678620.

Por decisão dos pais, a criança foi transferida de escola. “Minha filha poderia ter sofrido um trauma no crânio ou alguma outra coisa grave. Nada justifica a indiferença. E se não perceberam o ferimento, que tivessem a humildade de reconhecer isso”, completou a mãe.

Adriana disse que apesar de já ter mudado a filha de instituição de ensino, decidiu denunciar o fato para alertar pais sobre a conduta da escola em casos sérios como esse, disse ainda, que a filha dela é saudável e tem condições normais de aprendizado e mesmo assim, foi tratada com negligência. “No mesmo lugar que a minha filha estudava funciona uma escola para crianças com necessidades especiais que precisam de ainda mais cuidado, por isso resolvi acionar a polícia e denunciar, para que isso não se repita”, encerrou a mãe.

Desde fevereiro do ano passado, junto à escola Caic, funciona o Centro Municipal de Apoio a Aprendizagem (Cemap) para atendimento especializado aos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais

Secretaria de Educação

Adriana procurou o Últimas Notícias na sexta-feira (9), após as 17h, quando o expediente na Secretaria de Educação e na Prefeitura já havia sido encerrado. Na segunda-feira (12), o UN entrou em contato com a administração pedindo a versão da escola sobre os fatos e questionando sobre o protocolo adotado pela Secretaria de Educação em caso de queda das crianças.

Apesar do portal ter pedido urgência na resposta e da vice-diretora da escola, Aparecida Sônia de Oliveira  (Cidinha), ter ligado na redação do Últimas Notícias mas optado por não dar detalhes do caso, afirmando que a administração se manifestaria por meio de nota, até às 16h30desta terça-feira (13), nenhuma nota havia sido divulgada.

Logo após a matéria  ser publicada às 17h03, às 17h10 chegou no e-mail do portal uma nota sobre o fato.  CLIQUE E CONFIRA

 

 

Matéria atualizada às 17h34

IMPRIMIR