Em 53% dos municípios mineiros, doença é sinônimo de viagem. É que, mesmo para exames simples, os moradores dessas cidades precisam viajar para municípios vizinhos a fim de receber o atendimento. E, se o caso for mais grave e o paciente precisar ser internado, a viagem será ainda mais longa. Em 71% das cidades mineiras não existem leitos de internação. Os dados são da Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic), divulgados nesta quarta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),

Em números absolutos, dos 853 municípios mineiros, 457 não contam com equipamentos necessários para realização de exames, e 605 não têm unidades para internação.

A solução para esses deslocamentos está na conclusão dos hospitais regionais. Dos 12 que deveriam estar em operação, apenas um foi concluído, o de Uberlândia, no Triângulo. E essa é a aposta da Secretaria de Estado de Saúde, que afirma estar trabalhando para que as obras dos 11 hospitais restantes sejam concluídas o mais rápido possível.

Ponto positivo

Se por um lado é preciso avançar, por outro, Minas Gerais se destacou. Foi no caso do número de equipes do Programa Saúde da Família. A ação está presente em 479 (56,1%) municípios do Estado, com um número de equipes que só é superado pelo Estado de São Paulo. Enquanto Minas Gerais tem 5.051 equipes, os paulistas contam com 5.092.

Cada grupo conta com um médico, e o número de enfermeiros pode variar. Nas equipes em Minas Gerais há mais enfermeiros que no Estado de São Paulo. São 5.226 atuando nos municípios mineiros, contra 5.104 nas cidades paulistas.

No número total de servidores da saúde, Belo Horizonte também ocupa a segunda posição, com 187.296 profissionais, sendo que desse total 19.048 são médicos.

Estado deixa a desejar em inclusão

A pesquisa do IBGE mostrou que Minas Gerais anda com dificuldades com o mundo digital. Apenas 18,2% dos municípios mineiros oferecem serviço de Wi-Fi em locais públicos. Além disso, o governo do Estado não conta com nenhuma política de internet sem fio, problema que ocorre apenas no Acre, Tocantins e Pará.

UTI Neonatal

Apenas 6,5% das cidades do Brasil contam com UTI neonatal. Em Minas Gerais esse percentual é maior e chega a 18%, representando 156 municípios.

Funcionalismo cresce 66,7%

Segundo o IBGE, o número de servidores públicos municipais subiu 66,7% em 13 anos. Entre as cinco cidades do Brasil com a maior proporção de funcionários por população, duas são mineiras. Serra da Saudade, na região Central, é a líder do ranking, com 25,8 habitantes por servidor. Em segundo lugar está Grupiara, no Triângulo, com 22,9.

Em comum entre elas está uma população que não ultrapassa 1.500 habitantes. Serra da Saudade tem 822 moradores, enquanto Grupiara tem apenas 1.373.

 

Redação do Jornal Nova Imprensa

IMPRIMIR