O evento foi promovido pela Nova Central Sindical dos Trabalhadores de Minas Gerais (NCST-MG) e contou com a presença de mais de 100 representantes de sindicatos de várias cidades mineiras, do deputado estadual Celinho (PCdoB), que é membro do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Coronel Fabriciano (Sinttrocel), do vereador Gonçalo Faria/PSB e de outras autoridades.
O evento foi intermediado pela presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Confecções de Formiga, Iolanda Fernandes, e contou com as presenças do presidente nacional da Nova Central Sindical, o veterano sindicalista José Calixto Ramos, e do presidente da entidade em minas Gerais, Antonio da Costa Miranda. Na ocasião, foram discutidos vários assuntos, entre eles o lançamento do projeto de iniciativa popular para a implantação do piso mínimo salarial regional em Minas Gerais.
Também foram debatidas as convenções de números 151 e 158. A primeira diz respeito à Proteção de Direito de Organização, bem como a fixação das condições de trabalho na função pública. No momento, o governo do Brasil, por meio da portaria 297, de setembro de 2010, retificou junto à Organização Internacional do Trabalho (OIT), sancionando naquela data, pelo ex-presidente Lula, a convenção 151, que, automaticamente entrará em vigor a partir do dia primeiro de março deste ano.
Já a convenção 158 tem como tema a garantia do emprego contra a dispensa imotivada, está sendo questionada por uma maciça campanha das lideranças sindicais, pois, tal convenção já havia sido sancionada, mas, arbitrariamente foi anulada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), beneficiando o capital em detrimento do trabalho, exatamente no momento de uma maior rotatividade de mão de obra, obrigando aquele mais experiente a procurar uma nova vaga para o mesmo trabalho, em outro lugar, muitas vezes com um salário de primeiro emprego ou mesmo com apenas um salário mínimo.
A Nova Central Sindical dos Trabalhadores de Minas Gerais é uma entidade que congrega as principais federações de trabalhadores do Estado, que, tem como filiados, expressivos sindicatos dos trabalhadores das indústrias químicas, das indústrias urbanas, das indústrias do vestuário, dos bancários de MG, Goiás, Tocantins e Distrito Federal, mais os dos servidores públicos.

print
Comentários