Foto: Reprodução WhatsApp

Um homem entrou em uma igreja evangélica da cidade de Paracatu, na Região Noroeste do estado, e disparou vários tiros de arma de fogo na noite dessa terça-feira (21). O ato aconteceu na Igreja Batista Shalom, situada no bairro Bela Vista. Ele foi identificado como Rudson Aragão Guimarães, de 39 anos, apontado como ex-militar das Forças Armadas. No total, quatro pessoas foram mortas pelo atirador.

Segundo a Polícia Militar , o suspeito foi até a casa da mãe deleonde também estavam sua irmã e sua ex-namorada, Heloísa Vieira Andrade, de 59 anos. Lá, desferiu uma facada no pescoço da ex-companheira.

Depois, o atirador correu para o templo onde efetuou os disparos. Inicialmente, ele matou dois idosos com tiros na cabeça.

Instantes depois, pegou uma mulher como refém. A PM chegou ao local da ocorrência e, neste momento, tentou negociar. Contudo, o homem matou a refém.

As vítimas mortas na igreja foram identificadas como Rosângela Albernaz, de 50 anos; Marilene Martins de Melo Neves, 52; e Antônio Rama, 67, pai do pastor Evandro Rama, que celebrava o culto no momento da ocorrência.
Diante da morte da refém, policiais militares atiraram na clavícula de Rudson. Ele foi socorrido, encaminhado para o hospital da cidade em estado grave e está internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Segundo os bombeiros, o atirador está entubado e já sofreu duas paradas cardiorrespiratórias, mas permanece vivo.

De acordo com o porta-voz da Polícia Militar, major Flávio Santiago, policiais que estavam em patrulha próximo ao local evitaram um massacre maior. “Temos a informação de que ainda haviam 20 pessoas no local e ele estava com mais seis cartuchos intactas, se a PM não tivesse chegado a tempo, a situação seria muito pior”, disse.

Conforme o Corpo de Bombeiros, o pastor da igreja, Evandro Rama, fraturou um dos pés enquanto tentava fugir do local. Não há informações sobre o estado de saúde dele.

O atirador usou uma garrucha calibre 36 com capacidade para um tiro. Rudson tinha mais seis balas à disposição quando foi detido.

Em depoimento ao Estado de Minas, um militar que freqüenta a igreja informou que, esporadicamente, Hudson também assistia aos cultos no templo.

Segundo a PM, ele já teve problemas com drogas e teria deixado a igreja por este motivo. Conforme relatos de moradores de Paracatu, o homem reclamava de ouvir vozes. “Tudo indica que foi um surto [psicótico]”, afirmou o tenente-coronel Luiz Magalhães, do 45ª Batalhão de Polícia Militar de Paracatu.

Populares tentaram invadir o hospital de Paracatu. Por isso, a polícia precisou cercar o local. Um boato de que a mãe do autor teria sofrido um infarto foi veementemente negado pela corporação.

IMPRIMIR

Fonte:

Estado de Minas