A médica Marcelle Porto Cangussu é a primeira vítima identificada do rompimento de uma barragem da Vale, em Brumadinho, ocorrido na sexta-feira (25). Ela tinha completado 35 anos no dia anterior à tragédia.

Marcelle trabalhava na Vale desde 2016 não estava escalada para trabalhar na sexta-feira, mas foi chamada de última hora.

Ao portal G1 o padrasto de Marcelle, Christian Garrido Higuchi disse que a família está no Instituto Médico Legal (IML), em Belo Horizonte, para resolver as questões burocráticas, e não deu outras informações.

Além de Marcelle outras 10 pessoas morreram após o rompimento da barragem Mina o Feijão.
O número de desaparecidos foi atualizado para 296, sendo 166 funcionários da Vale e 130 funcionário terceirizados. Vinte e três pessoas estão hospitalizadas.

Cães farejadores estão ajudando o Corpo de Bombeiros a encotrar os corpos. Um Instituto Médico Legal (IML) foi montado em Brumadinho para ajudar na indentificação dos corpos.

Na manhã deste sábado (26), um ônibus com funcionários da Vale – soterrado pelo mar de lama – foi localizado.
“Encontramos um ônibus com algumas pessoas dentro. Todos estão mortos. Ainda não se sabe o número de óbitos. Era um ônibus que contemplava, a princípio, funcionários que trabalhavam na mineradora”, afirmou o tenente Pedro Aihara, porta-voz dos bombeiros.

Fotos: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press

A corporação também recebeu a informação que 15 famílias estariam ilhadas na região: “Já estamos acessando essas pessoas, as pessoas estão vivas. Também tem uma casa com três pessoas ilhadas.” Bombeiros estão fazendo sobrevoo no local.

Segundo o tenente, os desaparecidos estão distribuídos da seguinte maneira: entre 100 e 150 pessoas estavam na área administrativa da Vale; cerca de 30 na Vila Ferteco, pequeno vilarejo próximo; aproximadamente 35 hóspedes e funcionários da Pousada Nova Estância; e entre 100 e 140 atingidos na região do Parque das Cachoeiras. Outras 189 já foram resgatadas durante as tarefas.

Ainda segundo a corporação, aproximadamente 100 militares trabalham no local. A maior parte deles, cerca 87, se voltam aos trabalhos na zona quente nas atividades de busca e salvamento. O restante dos oficiais se dedicam à inteligência.

Corpo localizado

Na manhã deste sábado, os bombeiros localizaram um corpo em meio à lama. Ainda não há como identificar a vítima e não há informações até o momento se se trata de um homem ou mulher. Há suspeita de que outros atingidos possam estar na mesma área.

Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)

 

Fonte: G1/Estado de Minas ||

Imprimir

Comentários