Em entrevista ao vivo no Instagram, Jorge Pagura, coordenador do protocolo nacional da CBF, não fez previsão para o retorno do futebol, disse que a entidade segue à risca as orientações de cada estado, município e do governo federal, mas garantiu: nada vai ser mais seguro do que um treino de futebol quando houver flexibilização.

“Quando liberarem as atividades não vai haver lugar mais seguro do que treino de futebol, jogo de futebol. As medidas que preparamos são altamente restritivas do ponto benéfico para a saúde de todos”, afirmou Pagura.

O médico neurocirugião, que também é presidente da Comissão Nacional de Médicos do Futebol da CBF, participou de live com “Companhia de Viagem” e tratou de diversos pontos. Também avisou que as comemorações vão mudar. Ou seja, o comportamento dos atletas em campo de maneira geral.

O barulho do silêncio é a nova tônica que a gente vai ver no futebol. O abraço, a comemoração, “hoje tem gol do Gabigol, dancinha… isso não vai existir – disse Pagura.

Neurocirurgião, Pagura contou que ouviu mais de 100 médicos e diversas associações para finalizar o protocolo médico. Disse que o protocolo prevê testes do tipo RT-PCR, considerado mais assertivo, e também testes rápidos, que são mais simples. Pagura, porém, considerou ser inviável fazer o teste RT-PCR em massa para os atletas.

“Alemanha resolveu os problemas deles, mas não podemos nos comparar com eles, tem a diferença econômica. Mas vamos ter testagem sim, não podemos fazer teste de RT-PCR em cada um porque pode demorar, tem que esperar entre o 3º e o 7º dia, então teria que testar e isolar. Então vamos ter grande questionário clínico, testes rápidos e série de coisas. Dentro desse plano, qualquer sintoma vamos tratar como doente e daí vai para o RT-PCR. Mas uma coisa é analisar para 80 jogos. Outro, fazer em 380 jogos, que é só da Série A. E mais de mil em outras séries. É inviável RT-PCR para todos”, disse o médico.

Fonte: Globo Esporte

Imprimir
Comentários