O diretor Clínico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Rodolfo Monteiro Barbosa, enviou uma carta ao Conselho Regional de Medicina (CRM), Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e ao secretário Municipal de Saúde, Rogério Barbieri, relatando atrasos no pagamento dos médicos e falta de insumos básicos para atendimento aos pacientes. A situação pode ocasionar em paralisação das atividades.

No documento, Rodolfo afirma que o pagamento do corpo clínico da Unidade está há mais de 60 dias com os salários atrasados e que o último pagamento, feito de forma parcial, foi em julho. Estes atrasos no pagamento, segundo o diretor, “geram insatisfação e iminência de movimento de paralisação de atendimento destes profissionais”. O conteúdo da carta também foi discutido na reunião ordinária dessa quinta-feira (28), durante o pronunciamento do vereador Eduardo Print Júnior.

Além dos atrasos do pagamento, o diretor clínico ainda denuncia que há 90 dias os médicos estão sem insumos básicos para o atendimento à população, como algodão, tala gessada, materiais de higiene e limpeza, entre outros.

A UPA é administrada pela Santa Casa de Formiga. De acordo com o secretário de Relações Institucionais, Cléber Almeida Vaz, nessa semana a Prefeitura de Divinópolis repassou 50% do valor devido do pagamento de julho, mas que os meses sequentes estão em atraso.

O secretário disse, ainda, que a dívida chega a quase R$900 mil e este valor refere-se apenas aos pagamentos dos médicos. Ele afirma que os atrasos por parte da Prefeitura são recorrentes.

De acordo com o portal G1  a Prefeitura de Divinópolis e a assessoria de comunicação informou que provavelmente o município não irá se pronunciar sobre o assunto.

 

 

Fonte: G1 ||

Imprimir

Comentários