Minas Gerais é o quarto estado do país com o maior número de projetos aprovados para participar do Edital de Inovação para a Indústria desde o seu lançamento, em 2004, com 87 propostas selecionadas.

Em 2016, 20% dos projetos aprovados em todo o país foram de empresas mineiras. Em 2017, 16 empresas do estado tiveram projetos aprovados no projeto. O número foi o recorde de propostas aceitas no edital desde que ele foi lançado, em 2004. Em 2018, Minas Gerais foi o quarto estado com o maior número de propostas aprovadas, com oito projetos selecionados.

De acordo com Ênio José Garcia, o alto número de projetos inscritos é resultado da forma como o projeto é divulgado no estado. Segundo ele, o Edital de Inovação costuma ser assunto em palestras e nas próprias unidades do SENAI no estado. “A gente divulga principalmente por meio de palestras, em eventos de inovação. Todo tipo de evento, principalmente voltado para a inovação, a gente procura se inserir nesses eventos e faz a apresentação do Edital. E no próprio relacionamento das empresas com os nossos institutos e unidades do SENAI. E aí o próprio instituto SENAI, as unidades SENAI, divulgam para essas empresas”, disse.

Empresários de indústria e startups de todo o Brasil submetem propostas que são analisadas e elaboradas em parceria com os SENAI’s estaduais. Cada projeto recebe um fomento de até R$400 mil para a sua realização, aplicado dentro da unidade ou instituto que irá executá-lo.

Para o Edital de Inovação para a Indústria em 2018, foram disponibilizados mais de R$ 55 milhões pelo Serviço Social da Indústria (SESI), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e pelo SENAI com o objetivo de financiar o desenvolvimento de soluções inovadoras como novos produtos, processos ou serviços de caráter inovador que promovam o aumento de produtividade e competitividade industrial e a otimização da segurança e saúde do trabalhador.

Os projetos são distribuídos por cinco categorias: Inovação Tecnológica para Grandes e Médias Empresas; Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas de Base Tecnológica; Empreendedorismo Industrial; Inovação para Saúde e Segurança do Trabalho e Inovação setorial para Saúde e Segurança do Trabalho.

O recurso aportado é não reembolsável e destina-se à fase de desenvolvimento dos projetos, custeando, prioritariamente, horas técnicas, matéria prima e insumos. Não há repasse financeiro direto para as empresas.

Ao todo, são 80 horas de apoio às empresas nas etapas de ideias e plano de projeto e a duração é de até 24 meses.

Expandex

Com sede em Minas Gerais, a Expandex projeta, fabrica e realiza manutenção em equipamentos para os setores de mineração e siderurgia. A empresa se inscreve desde 2015 no Edital de Inovação, mas só teve o seu projeto aprovado em 2017. A proposta da empresa era desenvolver um equipamento que economizasse energia elétrica nos equipamentos oferecidos. É o que explica o engenheiro da Expandex, Murilo Brandão.

“Em relação ao produto que a gente propôs, é uma melhoria na eficiência energética dos nossos equipamentos. Então hoje a gente tem falado bastante na economia de energia e nossa proposta vai exatamente ao encontro disso, trabalhar com essa questão de economia de energia”, afirma.

Murilo também considera que o edital é muito positivo e defende que colabora para que a empresa possa manter o nível de competitividade com seus concorrentes, inclusive os estrangeiros. “Esse Edital de Inovação foi bastante positivo para a empresa. A gente consegue hoje enxergar aonde a gente pode melhorar, aonde a gente pode chegar. Só que a gente sabe das nossas limitações financeiras e, consequentemente, esse edital nos deu essa possibilidade de trabalhar com esse olhar na melhoria simples”, defende.

Histórico

O Edital de Inovação para a Indústria ajudou mais de 800 empresas a serem competitivas por meio de novos produtos e processos inovadores, desde que foi criado, em 2004. Em outubro deste ano, o Edital atingiu a marca de mil projetos inovadores selecionados. Foram investidos mais de R$ 545 milhões.

Até este ano, foram 800 empresas apoiadas com o projeto. As startups, micro e pequenas empresas foram as que mais se beneficiaram do apoio oferecido pelo Edital de Inovação ao longo de sua história. Entre os mil projetos selecionados, 29% foram apresentados por microempresas; 26% por pequenas, 19% por startups; 15% por grandes companhias e 12% por médias.

Os segmentos industriais que mais tiveram projetos aprovados foram o Químico, com cerca de 130 projetos, e Alimentos e Bebidas, com 110 projetos, aproximadamente. Segundo o Analista de Projetos de Tecnologia Industrial do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Minas Gerais, Ênio José Garcia, o setor de Tecnologia da Informação é a área que mais apresenta projetos para participar do Edital de Inovação em Minas Gerais.

“Por histórico, a demanda que a gente tem maior aqui acaba sendo de empresas de tecnologia, empresas de TI (Tecnologia da Informação). Então a gente tem muita demanda nesse sentido, empresas de TI procurando a gente para submeter propostas no Edital”, defende.

Empresas na região Sul foram as que mais conseguiram o apoio do Edital: foram 126 propostas apresentadas por companhias do Rio Grande do Sul; 124 do Paraná e 109 de Santa Catarina.

Edição 2018

No dia 15 de outubro foram anunciados os 61 projetos escolhidos na primeira seleção de 2018 do Edital de Inovação após a análise de 549 propostas inscritas. Os estados que tiveram propostas selecionadas foram São Paulo (11 escolhidos), Pernambuco (9), Paraná (8), Minas Gerais (8), Santa Catarina (6), Rio Grande do Sul (4), Rio de Janeiro (7), Ceará (2), Amazonas (2), Espírito Santo (2), Mato Grosso do Sul (1) e Bahia (1).

 

Fonte: Agência Rádio Minas ||

Imprimir

Comentários