Minas entra em alerta contra volta de rebeliões em prisões

Nos últimos seis dias, cinco motins foram registrados; Ministério Público discute movimentos.

Nos últimos seis dias, cinco motins foram registrados; Ministério Público discute movimentos.

Ao menos seis movimentos em unidades prisionais forma registrados nos últimos seis dias. O número e a concentração de ações em um curto intervalo de tempo são preocupantes, na opinião de especialistas, que alertam para o risco da volta de rebeliões em série, como era realidade do Estado em um passado não tão distante. Segundo eles, a superlotação, pano de fundo de todos os movimentos, é o principal ingrediente para as rebeliões. O Ministério Público já discute ideias para reverter o quadro.

Minas é o segundo Estado com a maior população carcerária do país. Conforme o último levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de junho de 2014, é também o segundo no Brasil em superlotação de prisões: o déficit de vagas chega a 32.354.

Apenas nos últimos quatro meses do ano passado, o déficit carcerário subiu 33%, segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Dados do último dia de 2014 mostram que o Estado tinha na época 65.330 detentos ? 30.349 eram presos provisórios, que ainda aguardavam julgamento.

Guaracy Mingardi, analista do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, acredita que os motins são um primeiro passo para as rebeliões mais violentas, mais comuns em Minas Gerais entre meados dos anos 90 e o início dos anos 2000. Insatisfações rotineiras, como a falta de água, uma das reclamações dos presos do Ceresp Gameleira, são exacerbadas pelo excesso de presos, conforme explica o analista.

?Em geral, há uma série de pessoas em um espaço que cabe metade deles. Isso aumenta a tensão. Se alguém que fala mais alto consegue reclamar e planejar alguma coisa, pode gerar uma rebelião. Normalmente isso acontece porque o Estado não percebe que chegou a esse ponto?.

A falta de vagas nas prisões mineiras gera ainda outros problemas. Até o ano passado, 11 mil pessoas estavam em prisões domiciliares pela falta de vagas nos presídios. No caso dos procurados pela Justiça, de acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), até o ano passado eram 60 mil foragidos ? se essas prisões fossem cumpridas, a população carcerária dobraria.

Entenda
Motim x Rebelião:
No primeiro caso, trata-se de um tipo de desobediência, revolta ou tumulto. O segundo acontece quando o grupo consegue tomar o controle da unidade prisional. Normalmente há reféns.

Últimos casos

Nesta segunda (16) :Detentos do Ceresp Gameleira e de Jaboticatubas colocam fogo em roupas e colchões, reclamando superlotação e a falta de água. Os motins são controlados.

No dia 15 : Presos destruíram parte da cadeia de Vazante, no Noroeste. Um agente foi ferido, e 11 detentos fugiram. A superlotação do local ? que tinha 51 presos, onde cabem 20 ? foi a principal motivação. Cinco detentos foram recapturados.

No dia 14 A suspeita de meningite no presídio Floramar, em Divinópolis, na região Central, causou a suspensão das visitas na unidade no último sábado. Os presos se revoltaram.

No dia 10 Um princípio de rebelião atingiu o Ceresp de Betim, na região metropolitana. Presos queimaram colchões e reclamaram de superlotação e falta de água. Após o motim, a Justiça mandou transferir 532 homens. Deputados visitaram o local nesta segunda, verificaram que a unidade tem 850 presos além da capacidade e vão encaminhar relatório à Seds.

Reforço da PM vai para a rua no fim de 2016

A região metropolitana terá reforço de 1.400 policiais a partir do fim de 2016. O comandante da PM, coronel Marco Bianchini, assinou nesta segunda a autorização para contratação do efetivo. Até dezembro de 2015, a seleção será finalizada, e os aprovados começam a academia no início do ano que vem.

O grupo faz parte dos 9.000 militares prometidos pelo governo ? 3.000 deles já foram autorizados; os outros 1.600 vão para o interior. O anúncio foi na abertura do Programa Educacional de Resistência às Drogas. Anualmente, a PM promove encontros com estudantes sobre drogas. Mais de 3.000 instituições serão atendidas em 500 municípios do Estado.

Imprimir
Comentários

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Minas entra em alerta contra volta de rebeliões em prisões

Nos últimos seis dias, cinco motins foram registrados; Ministério Público discute movimentos.

Nos últimos seis dias, cinco motins foram registrados; Ministério Público discute movimentos.

 

Ao menos seis movimentos em unidades prisionais forma registrados nos últimos seis dias. O número e a concentração de ações em um curto intervalo de tempo são preocupantes, na opinião de especialistas, que alertam para o risco da volta de rebeliões em série, como era realidade do Estado em um passado não tão distante. Segundo eles, a superlotação, pano de fundo de todos os movimentos, é o principal ingrediente para as rebeliões. O Ministério Público já discute ideias para reverter o quadro.

Minas é o segundo Estado com a maior população carcerária do país. Conforme o último levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de junho de 2014, é também o segundo no Brasil em superlotação de prisões: o déficit de vagas chega a 32.354.

Apenas nos últimos quatro meses do ano passado, o déficit carcerário subiu 33%, segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Dados do último dia de 2014 mostram que o Estado tinha na época 65.330 detentos – 30.349 eram presos provisórios, que ainda aguardavam julgamento.

Guaracy Mingardi, analista do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, acredita que os motins são um primeiro passo para as rebeliões mais violentas, mais comuns em Minas Gerais entre meados dos anos 90 e o início dos anos 2000. Insatisfações rotineiras, como a falta de água, uma das reclamações dos presos do Ceresp Gameleira, são exacerbadas pelo excesso de presos, conforme explica o analista.

“Em geral, há uma série de pessoas em um espaço que cabe metade deles. Isso aumenta a tensão. Se alguém que fala mais alto consegue reclamar e planejar alguma coisa, pode gerar uma rebelião. Normalmente isso acontece porque o Estado não percebe que chegou a esse ponto”.

A falta de vagas nas prisões mineiras gera ainda outros problemas. Até o ano passado, 11 mil pessoas estavam em prisões domiciliares pela falta de vagas nos presídios. No caso dos procurados pela Justiça, de acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), até o ano passado eram 60 mil foragidos – se essas prisões fossem cumpridas, a população carcerária dobraria.

 

Entenda

Motim x Rebelião: No primeiro caso, trata-se de um tipo de desobediência, revolta ou tumulto. O segundo acontece quando o grupo consegue tomar o controle da unidade prisional. Normalmente há reféns.

 

Últimos casos

Nesta segunda (16) :Detentos do Ceresp Gameleira e de Jaboticatubas colocam fogo em roupas e colchões, reclamando superlotação e a falta de água. Os motins são controlados.

No dia 15 : Presos destruíram parte da cadeia de Vazante, no Noroeste. Um agente foi ferido, e 11 detentos fugiram. A superlotação do local – que tinha 51 presos, onde cabem 20 – foi a principal motivação. Cinco detentos foram recapturados.

No dia 14 A suspeita de meningite no presídio Floramar, em Divinópolis, na região Central, causou a suspensão das visitas na unidade no último sábado. Os presos se revoltaram.

No dia 10 Um princípio de rebelião atingiu o Ceresp de Betim, na região metropolitana. Presos queimaram colchões e reclamaram de superlotação e falta de água. Após o motim, a Justiça mandou transferir 532 homens. Deputados visitaram o local nesta segunda, verificaram que a unidade tem 850 presos além da capacidade e vão encaminhar relatório à Seds.

 

Reforço da PM vai para a rua no fim de 2016

A região metropolitana terá reforço de 1.400 policiais a partir do fim de 2016. O comandante da PM, coronel Marco Bianchini, assinou nesta segunda a autorização para contratação do efetivo. Até dezembro de 2015, a seleção será finalizada, e os aprovados começam a academia no início do ano que vem.

O grupo faz parte dos 9.000 militares prometidos pelo governo – 3.000 deles já foram autorizados; os outros 1.600 vão para o interior. O anúncio foi na abertura do Programa Educacional de Resistência às Drogas. Anualmente, a PM promove encontros com estudantes sobre drogas. Mais de 3.000 instituições serão atendidas em 500 municípios do Estado.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Comentários

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!