A Secretaria de Estado da Saúde confirmou ontem uma morte suspeita de febre amarela em Minas Gerais. Um rapaz de 24 anos, natural de Araguari, no Triângulo Mineiro, morreu, na manhã de ontem, no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Segundo parentes, Leandro Gonçalves da Cruz estava em Caldas Novas, no interior de Goiás, cidade em que apresentou casos da doença.
No último dia 16 de janeiro, ele foi atendido na Santa Casa de Araguari, com sintomas de febre amarela e foi encaminhado, na noite do último domingo para o Hospital das Clínicas, com as funções renais praticamente paralisadas. O jovem morreu vítima de parada cardíaca, segundo os médicos.
De acordo com a secretaria, o sangue coletado será encaminhado hoje para a Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte. O resultado dos exames que definirão as causas da morte do rapaz serão divulgados em até três dias.
Segundo Cristiane Gonçalves da Cruz, 29, prima de Leandro, ele trabalhava em Caldas Novas, onde tomava conta de uma fazenda há vários anos. O rapaz ia a Araguari de vez em quando para visitar a família. Conforme Cristiane, o primo teria adoecido em Goiás, na última quinta-feira, sendo internado no hospital de Caldas Novas com sintomas da febre amarela.
O jovem foi transferido para Santa Casa de Araguari. No final de semana sua saúde piorou e ele acabou sendo novamente transferido para o Hospital das Clínicas de Uberlândia, onde ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele morreu no final da manhã. Os médicos não deram nenhum diagnóstico aqui em Araguari, apenas suspeitavam de febre amarela ou meningite. Ele não estava tão mal, piorou de vez foi aqui em Araguari, disse Cristiane.

Investigação
Ontem, a assessoria de imprensa da Gerência Regional de Saúde (GRS) de Uberlândia informou que três técnicos de epidemiologia foram enviados ontem mesmo para Araguari para investigar o caso. Eles vão tentar descobrir se Leandro Gonçalves tinha sido vacinado ou não contra febre amarela. Os técnicos vão apurar, ainda, os locais em que o paciente esteve e o período em que ele permaneceu em Caldas Novas.
A equipe médica local coletou o sangue do paciente ontem, já que, segundo a secretaria, o material do paciente deve ser coletado somente a partir do quinto ou sexto dia após o aparecimento dos primeiros sintomas da doença. Antes disso, o exame não detecta a presença de anticorpos que indicam a infecção recente pelo vírus da febre amarela.
Ainda segundo a GRS de Uberlândia, a equipe médica que atendeu o rapaz informou que os sintomas que ele apresentava, como febre, dores de cabeça e no corpo, náuseas, hemorragias e icterícia (pele e olhos amarelados) também podem ser de dengue hemorrágica ou leptospirose.

Imprimir
Comentários