O número de ocorrências de incêndios registrado no interior de unidades de conservação (UCs) caiu 70% entre 2007 e 2009. No mesmo período, a área atingida pelas chamas, em hectares (ha), reduziu em 88%. Os dados foram divulgados pela gerência do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), nesta quarta-feira (16).
Em 2009, foram registrados apenas 44 incêndios florestais no interior das áreas de preservação, contra 149 registrados em 2007 e 65 em 2008. Em relação aos hectares de mata destruídos pelas chamas, até o último dia 10, a área queimada foi de 2.416 (ha) enquanto em 2007 foram queimados 20.214 e, em 2008, 11.295.
Para a gerente do Previncêndio, Cláudia Melo, a expressiva queda se deve ao investimento feito pelo governo de Minas em equipamentos modernos e nas bases e sub-bases operacionais que dão apoio no combate aos incêndios, e na formação de brigadas voluntárias em todo o Estado. ?Nesses últimos três anos, o Previncêndio recebeu aportes de cerca de R$ 25 milhões. E, neste ano, uma campanha de prevenção às queimadas foi ampliada em Minas a fim de alertar a população que mora no entorno das unidades de conservação sobre o uso consciente do fogo?, explica.
Somente este ano, foram aplicados R$ 6 milhões na construção de uma sub-base em Viçosa, na Zona da Mata, prevista para ser inaugurada no início de 2010, na reforma da infraestrutura da sub-base de Januária, no Norte de Minas, no seguro e manutenção das aeronaves da força-tarefa, e nos cursos de brigada voluntária. ?Formamos 2.091 brigadistas voluntários, pessoas que desempenham papel importante no combate às queimadas. Muitos deles moram próximo à unidade e, com isso, são os primeiros a combater as chamas?, informa a gerente.

Imprimir
Comentários