As forças de segurança de Minas assinaram, nessa segunda-feira (22), um acordo de parceria para a criação de uma central de monitoramento que permite que os órgãos tenham acesso a dados reais sobre mulheres em situação de violência em todo o Estado. A Central de Monitoramento de Prevenção à Violência Doméstica e Familiar em Minas Gerais, estrutura pioneira no país, é um trabalho de cooperação entre a Polícia Militar de Minas; o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos; o Ministério Público (MPMG) e o Tribunal de Justiça (TJMG). 

De acordo com o governo do Estado, o objetivo é fortalecer o fluxo de dados e informações entre os órgãos, como ocorrências policiais e medidas protetivas expedidas; aprimorar as políticas públicas relacionadas às mulheres vítimas de violência em todo o Estado e possibilitar ações mais pontuais de combate aos crimes de violência doméstica e familiar. 

O evento para criação da Central foi realizado no auditório do Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos (Efas), da PMMG, em Belo Horizonte, e contou com a participação da ministra Da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Na oportunidade, a ministra destacou que o projeto é a resposta que a sociedade precisava. “É a junção de forças, a união dos recursos e o compartilhamento de experiências. Nós acreditamos que a violência no Brasil só vai ser enfrentada desta forma”, enfatizou. 

Também durante o evento, a secretária nacional de Políticas para as Mulheres, Cristiane Rodrigues Britto, destacou que todas as informações serão compartilhadas com o Ministério. De acordo com ela, o projeto é, inclusive, um dos eixos do Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio. 

PMMG em destaque

Segundo o governo estadual, a Polícia Militar de Minas foi a instituição escolhida para sediar a primeira central de monitoramento da violência doméstica do país em função da sua estrutura logística e de banco de dados estruturados, além de possuir serviço especializado de atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica, com protocolos bem estabelecidos e sedimentados.

O comandante-geral da PMMG, coronel Rodrigo Sousa, destacou que a corporação está orgulhosa de participar de um projeto tão significativo. “A partir do trabalho integrado e sistêmico, vamos conseguir encontrar as oportunidades para melhorar a vida das mulheres vítimas de violência”, lembrou.

Fonte: Hoje em Dia

print
Comentários