O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira (15) que a campanha de vacinação contra a covid-19 pode ter início em cinco dias após a liberação de um imunizante pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Embora ainda não haja data para a Anvisa autorizar as vacinas em análise, faltava no plano de imunização enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal) um horizonte em relação ao tempo necessário para distribuir as primeiras doses.

O ministro Ricardo Lewandowksi, que recebeu o plano no fim de semana, solicitou esclarecimentos ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que enviou mais informações à Corte nesta tarde.

“Registrada uma vacina ou autorizado o uso emergencial de um imunizante, bem assim seja o imunobiológico adquirido (nos termos da legislação pertinente) e entregue no Complexo de Armazenamento do Ministério da Saúde, a previsão de distribuição para Estados e Distrito Federal é de até cinco dias”, diz o documento.

A pasta acrescenta, toda via, que é de responsabilidade dos governos dos estados e do Distrito Federal encaminhar as vacinas aos municípios.

Grupos prioritários vacinados em até 60 dias

Outro trecho esclarecido pelo ministério é a duração das campanhas de vacinação para os grupos prioritários, que serão quatro.

A expectativa é imunizar cerca de 51 milhões de pessoas no período de quatro meses.

“O Ministério da Saúde estima que no período de doze meses concluirá a vacinação da população em geral, o que dependerá,  concomitantemente, do quantitativo de imunobiológico disponibilizado para uso, completando-se o plano de vacinação em um total de aproximadamente dezesseis meses.”

Ainda de acordo com o ministério, qualquer plano só será concretizado após aprovação de uma vacina, seja pelo registro sanitário ou autorização de uso emergencial, pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Matéria do R7

Imprimir
Comentários