Ministério Público do Rio de Janeiro e a defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), estão negociando um acordo de delação premiada. As informações são da CNN Brasil.

Segundo fontes da investigação, Queiroz está preocupado com a sua família. Ele quer garantir proteção no processo para a mulher dele, Márcia Aguiar de Oliveira, que está foragida, e para as filhas Nathalia Mello e Evelyn Mello.

De acordo com o canal de notícias, a negociação está arrastada porque os promotores querem garantias de que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro tenha informações novas para apresentar e não apenas relatar fatos que a investigação já conseguiu remontar. 

Márcia, Nathalia e Evelyn também trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Evelyn assumiu a vaga da irmã depois que Nathalia foi exonerada do gabinete.

A investigação aponta que a maior parte do dinheiro recebido pelas três foi depositada na mesma conta corrente que Queiroz usava para gerenciar as “rachadinhas”.

Matéria do Estado de Minas

Imprimir
Comentários