Ministério Público oferece denúncia criminal contra o prefeito de Formiga

A denúncia foi feita após Moacir descumprir uma recomendação do MP para exonerar a assessora jurídica do Procon, Maria Rachel Fernandes que atuou em desfavor do município durante a CPI de usurpação de poder, em 2014, como advogada de Marcos Sallum

A denúncia foi feita após Moacir descumprir uma recomendação do MP para exonerar a assessora jurídica do Procon, Maria Rachel Fernandes que atuou em desfavor do município durante a CPI de usurpação de poder, em 2014, como advogada de Marcos Sallum

Após o ajuizamento de uma Ação Civil Pública no dia 28 de abril, esta semana, o Ministério Público ofereceu denúncia criminal em desfavor do prefeito de Formiga Moacir Ribeiro, perante a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte. Na quinta-feira (21), o referido processo já se encontrava concluso para o relator, Desembargador Flávio Leite.

Entenda o caso:
Em recomendação enviada ao prefeito Moacir Ribeiro da Silva, no dia 25 de fevereiro deste ano, o promotor de justiça Láurence Albergaria Oliveira, fez considerações a respeito da atuação da advogada Maria Rachel Fernandes, assessora jurídica do Procon da cidade, que impediriam a permanência dela no cargo de livre nomeação, que ocupa na administração pública.
De acordo com o MP, a constatação de exercício da advocacia privada durante expediente regular da administração; o exercício da advocacia por advogado impedido (o que configura, em tese, crime de advocacia administrativa e o que também em tese, pode resultar em ato de improbidade administrativa que viola o princípio da legalidade, moralidade e da lealdade às instituições) levaram à recomendação da exoneração da servidora. Quanto à postura da administração municipal diante do caso, o MP considerou que a ciência e a ausência de medidas (…) configurará ato de improbidade administrativa por violação à legalidade, podendo ainda, configurar o crime previsto no artigo 320 do Código Penal.
A irregularidade teria ocorrido em 2014, quando, durante a realização da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investigava a usurpação de poder público na Prefeitura da cidade, a advogada representou Marco Aurélio Mansur Sallum.
O prefeito de Formiga, Moacir Ribeiro, não atendeu a recomendação do Ministério Público, a respeito da exoneração da assessora jurídica, alegando o afastamento da servidora por problemas de saúde. Diante disso, o MP ajuizou no dia 28 de abril desde ano, uma Ação Civil Pública em desfavor do chefe do Executivo, por improbidade administrativa.
A ação visa a aplicação de sansões ao prefeito de acordo com a Lei Federal 8429/92 que prevê as penalidades imputadas ao gestor público que, comprovadamente, tiver cometido crime de improbidade.
O próximo passo dado pelo MP foi oferecer denúncia criminal em desfavor do prefeito Moacir Ribeiro, perante a 1ª Câmara Criminal do TJMG, o que ocorreu essa semana.

IMPRIMIR

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Ministério Público oferece denúncia criminal contra o prefeito de Formiga

A denúncia foi feita após Moacir descumprir uma recomendação do MP para exonerar a assessora jurídica do Procon, Maria Rachel Fernandes que atuou em desfavor do município durante a CPI de usurpação de poder, em 2014, como advogada de Marcos Sallum.

A denúncia foi feita após Moacir descumprir uma recomendação do MP para exonerar a assessora jurídica do Procon, Maria Rachel Fernandes que atuou em desfavor do município durante a CPI de usurpação de poder, em 2014, como advogada de Marcos Sallum.

 

Após o ajuizamento de uma Ação Civil Pública no dia 28 de abril, esta semana, o Ministério Público ofereceu denúncia criminal em desfavor do prefeito de Formiga Moacir Ribeiro, perante a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte. Na quinta-feira (21), o referido processo já se encontrava concluso para o relator, Desembargador Flávio Leite.

 

Entenda o caso:

Em recomendação enviada ao prefeito Moacir Ribeiro da Silva, no dia 25 de fevereiro deste ano, o promotor de justiça Láurence Albergaria Oliveira, fez considerações a respeito da atuação da advogada Maria Rachel Fernandes, assessora jurídica do Procon da cidade, que impediriam a permanência dela no cargo de livre nomeação, que ocupa na administração pública.

De acordo com o MP, a constatação de exercício da advocacia privada durante expediente regular da administração; o exercício da advocacia por advogado impedido (o que configura, em tese, crime de advocacia administrativa e o que também em tese, pode resultar em ato de improbidade administrativa que viola o princípio da legalidade, moralidade e da lealdade às instituições) levaram à recomendação da exoneração da servidora. Quanto à postura da administração municipal diante do caso, o MP considerou que a ciência e a ausência de medidas (…) configurará ato de improbidade administrativa por violação à legalidade, podendo ainda, configurar o crime previsto no artigo 320 do Código Penal.

A irregularidade teria ocorrido em 2014, quando, durante a realização da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investigava a usurpação de poder público na Prefeitura da cidade, a advogada representou Marco Aurélio Mansur Sallum.

O prefeito de Formiga, Moacir Ribeiro, não atendeu a recomendação do Ministério Público, a respeito da exoneração da assessora jurídica, alegando o afastamento da servidora por problemas de saúde. Diante disso, o MP ajuizou no dia 28 de abril desde ano, uma Ação Civil Pública em desfavor do chefe do Executivo, por improbidade administrativa.

A ação visa a aplicação de sansões ao prefeito de acordo com a Lei Federal 8429/92 que prevê as penalidades imputadas ao gestor público que, comprovadamente, tiver cometido crime de improbidade.

O próximo passo dado pelo MP foi oferecer denúncia criminal em desfavor do prefeito Moacir Ribeiro, perante a 1ª Câmara Criminal do TJMG, o que ocorreu essa semana.

Redação do Jornal Nova Imprensa

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!