O Lago de Furnas é um dos principais atrativos de Formiga e do Oeste de Minas, uma região turística em potencial, porém, ainda pouco explorada. Faltam empreendimentos, mas também falta infraestrutura para atrair aos investidores do setor de turismo.
Não há dúvidas de que o Lago de Furnas seja uma fonte de riquezas naturais que pode trazer grandes benefícios econômicos e sociais para a cidade e foi pensando nisso que Uma comissão foi montada e procurou o Executivo para apresentar algumas reivindicações como: coleta de lixo, limpeza e calçamento de ruas, distribuição de água, segurança (com a implantação de um posto policial), instalação de um posto de saúde, a implantação efetiva do distrito turístico de Ponte Vila, além de problemas de saneamento básico, como rede de esgoto, no trânsito, dentre outras ações que precisam ser feitas no balneário.
Durante uma reunião realizada no dia 4 deste mês, o prefeito Aluísio Veloso/PT se comprometeu a nomear um grupo de trabalho para propor ações direcionadas ao distrito turístico de Ponte Vila. Segundo o chefe de gabinete, Sheldon Almeida, foi feita uma portaria (nº 2076, de 16 de setembro de 2009) que forma uma comissão especial para discutir questões e projetos para o distrito turístico de Ponte Vila e, nesta quarta-feira (16) foi realizada a primeira reunião com a comissão constituída.
O grupo de trabalho é composto por oito membros, sendo quatro representantes do poder público: o chefe de gabinete Sheldon de Almeida; o secretário de Desenvolvimento Econômico e Parcerias, Paulo César Rodrigues Costa; o secretário de Gestão Ambiental, Paulo Coelho Rocha, e secretário de Desenvolvimento Rural e Sustentável, José Ivo da Silva, e quatro representantes dos moradores do distrito de Ponte Vila: o presidente do Náutico Formiguense, José Afonso Alencar; o advogado da Amafurnas, Antonio Santos Damasceno; o prefeito de Córrego Fundo, Valdir Ferreira, e o presidente do Furnas Náutico Público Néliton Ney Rocha.
As negociações
Segundo o advogado da Amafurnas, Antonio Damasceno, o Movimento Profurnatur nasceu por iniciativa dos representantes dos balneários e de associações para que sejam atendidos pelo poder público. Damasceno conta que começaram uma fase de estudos das providências que devem ser tomadas e das obras que devem ser feitas nos balneários. ?Não tem ainda uma agenda de providências porque são muitas coisas e ainda não tivemos condições de priorizar as coisas, mas já temos um horizonte de serviços e de aperfeiçoamento legislativo que nós vamos fazer a partir de agora? , comenta.
O representante do Movimento Profurnastur diz que os membros estão esperançosos com esse negociação, porque está caminhando muito bem. Damasceno ressaltou que, até então, a administração municipal não dava uma assistência devida aos balneários, isso, segundo ele, desde o governo do ex-prefeito Ninico Resende, de lá para cá só teriam sido feitas ações emergências, pois o poder público se manteve ausentado muito de lá, era como se o balneário não fosse parte do município, sendo que lá é um bairro de Formiga.
Antônio Damasceno falou da importância de se ter um interlocutor no distrito turístico, um posto municipal de serviços. Falou também da falta que tem feito uma Secretaria de Turismo, pois existe um departamento, ligado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Parcerias, mas segundo Damasceno o departamento é inoperante, está meio abandonado.
Pelo plano de ações, deve-se começar imediatamente o que for emergencial. Existem ruas abandonadas, outras com trânsito difícil, então a sugestão é começar pelo calçamento. Na próxima reunião, que está marcada para o dia 30, a comissão vai tratar da questão do lixo
Sheldon Almeida ressalta que os principais problemas diagnosticados são a pavimentação e a iluminação. Entretanto, o chefe de governo explica que isso é decorrência da aprovação dos loteamentos sem que o empreendedor fizesse a infraestrutura necessária, principalmente no que diz respeito ao saneamento básico e pavimentação.
Ações
Uma visita de servidores da Prefeitura está agendada para a próxima segunda-feira (21) para fazerem a medição na chamada Avenida Perimetral que circula o Lago de Furnas, esta seria a primeira ação imediata para dar início à pavimentação. Depois da medição, será feito o projeto de pavimentação e a planilha de custos.
Sheldon Almeida conta que essas ações serão feitas em parceria com a população, será feita uma reunião com os moradores para decidirem quanto o Executivo pode envidar de recursos e quanto os moradores vão contribuir.
Outra ação é conversar com os representantes das entidades que exploram água para que não prestem serviços aos moradores que não tiverem projetos aprovados, pois muitos tem a chamada ?fossa negra? e não a ?fossa séptica? como seria o ideal, o que causa degradação ao meio ambiente. Conforme informou o chefe de governo, a regra é que toda construção, não só no balneário, é contratar um engenheiro e requerer o alvará de construção, antes do início da obra, mas como há uma taxa para esse alvará as pessoas não procuram a Prefeitura.
Quanto aos recursos financeiros, se a Prefeitura não tiver o dinheiro necessário para a pavimentação no balneário, o prefeito Aluísio Veloso vai pleitear verbas nos governos estadual e federal. ?Foi muito boa a formação dessa comissão, é muito bom os cidadãos participarem do projeto, que é um projeto de desenvolvimento turístico, pois mostra que os cidadãos querem participar das políticas públicas para o setor de turismo? , conclui Sheldon.

print
Comentários