Os 29 moradores que vivem na região da Pequena Central Hidrelétrica Mello, estrutura da Vale localizada na zona rural de Rio Preto, na Zona da Mata Mineira, passaram por momentos de apreensão na madrugada desse sábado (16). Em função da chuva forte, que elevou o risco de rompimento da estrutura que armazena água, as famílias tiveram que deixar o local, conforme informou a Polícia Militar da cidade. A evacuação aconteceu nesta manhã após contato telefônico de funcionários da mineradora. Dez imóveis foram esvaziados.

Coordenador-adjunto da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), o tenente-coronel Flávio Godinho explica que não se trata de uma barragem de rejeitos de minério, mas de uma hidrelétrica. “Trata-se da Central Hidrelétrica Mello, que tem 14 metros de altura e comporta 4,5 milhões de m³ de água. A estrutura teve o nível de risco elevado para 2, em função das grandes chuvas que atingiram a região nesta madrugada, como forma de precaução”, detalhou.

Ao todo, foram removidas 19 famílias que viviam logo abaixo da barragem. Os moradores estão sendo encaminhados para hotéis da região, conforme a Defesa Civil. “Todo apoio está sendo dado. A PM já está no local bloqueando o acesso para evitar inclusive saques às residências. Estamos fazendo a evacuação de forma tranquila, calma e cautelosa e determinamos que a Vale adote todas as posturas necessárias, inclusive o recolhimento de animais”, completou o tenente-coronel Godinho.

Licenciamento ambiental

A barragem tem 56,98 hectares de lâmina d’água no nível normal da estrutura e 68 hectares no nível de máximo, conforme consta no licenciamento concedido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad) em 2013. A estrutura foi construída sobre o leito do Ribeirão Santana em 1996. “Foi construída toda em concreto compactado a rolo (CCR) e possui uma crista de 100 metros de extensão, 19 metros de altura máxima com crista de 4 metros de largura, situada na cota de elevação de 600 m, não possuindo estrutura de extravasamento de fundo”, detalha o documento.

 

Fonte: Hoje em Dia||

Imprimir

Comentários