Edilson da Silva, de 47 anos, morreu na noite desta quarta-feira (21), após ser atingido em explosão na siderúrgica Fergusete, em Sete Lagoas, na Região Central de Minas Gerais. O incidente foi na noite desta terça-feira (20). A morte foi confirmada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da cidade.

De acordo com informações da empresa, uma chapa que sustenta a parede do alto-forno teria se rompido e, com isso, minério e carvão transbordaram e atingiram Edilson e Fabiano Alves dos Santos Pereira, de 36 anos.

O alto-forno é onde o minério de ferro é derretido para a produção do ferro-gusa, matéria prima do aço.

Edilson da Silva teve queimaduras de primeiro e segundo graus. Ele foi levado, consciente e conversando, de helicóptero pela Polícia Militar ao Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, com 90% do corpo queimado e não resistiu aos ferimentos.

O outro funcionário, Fabiano Pereira, foi atendido pelo Samu com queimadura no antebraço e já recebeu alta.

“É uma mistura muito quente. Queima a pessoa por dentro. Conversei com o Fabiano e ele disse que “Xaropinho”, como Edilson era chamado pelos colegas, estava bem perto de onde a chapa se rompeu. Gritaram para ele correr, mas não deu tempo”, disse o presidente do sindicato, Ernane Dias.

Fiscais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad), acompanhados da Polícia Militar, passaram a tarde na siderúrgica avaliando os estragos provocados pela explosão. A perícia da Polícia Civil também esteve no local.

A Fergusete abriu uma sindicância para apurar o que aconteceu. A empresa disse ainda que está prestando assistência para as famílias das vítimas. A produção no forno onde houve a explosão foi paralisada para manutenção.

Polícia Civil investiga as causas de uma explosão em siderúrgica, em Sete Lagoas.

Matéria do G1

print
Comentários