Motoristas dos ônibus do transporte público fizeram um protesto na manhã desta quinta-feira (24), no Centro de Divinópolis, contra a autorização emitida pela Secretaria de Trânsito e Transportes (Setrans) para retirada de cobradores de mais 10 linhas na cidade.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Divinópolis (Sintrodiv), Erivaldo Adami, 70% dos coletivos participaram do protesto que ocorreu na rua Goiás e durou cerca de 1h. A diretoria do Consórcio Transoeste, responsável pelo transporte coletivo na cidade, informou não ter sido comunicada sobre o movimento.

“Nós não concordamos com essa retirada dos cobradores porque os motoristas estão sobrecarregados, por isso fizemos esse movimento para chamar a atenção da população e autoridades”, afirmou Adami.

Segundo ele, o sindicato tentou negociar a medida com a Settrans e o Consórcio Transoeste. Mesmo assim, Adami diz que alguns cobradores foram retirados dos postos. Uma nova reunião foi marcada para o dia 5 de fevereiro para tratar do assunto e novas manifestações podem ocorrer caso o problema não seja resolvido.

“Muitos motoristas estão adoecendo e até largando o serviço porque não dão conta. Muitos estão sobrecarregados, estressados e precisamos prestar bom serviço para a população. Só que desse jeito fica difícil”, afirmou o motorista Getúlio Resende.

Prefeitura surpreendida

Por meio de nota, a Prefeitura informou que foi surpreendida com a manifestação, uma vez que o os questionamentos apresentados pelo sindicato da categoria têm sido tratados de forma oficial junto à Prefeitura.

Explicou ainda que uma reunião foi agendada para esta quinta-feira à tarde, atendendo a um pedido feito pelos representantes do sindicato. O encontro do dia 5 de fevereiro está mantido e vai contar com representantes do Consórcio Transoeste, segundo a administração municipal.

Consórcio nega demissões

O diretor do consórcio, Felipe Borges, informou que ainda não recebeu reivindicações da categoria e nem foi avisado sobre a manifestação. Ele ainda reafirmou a informação dada pelo G1 no início de janeiro de que não haverá demissões no quadro de funcionários e que os cobradores passam por uma readequação de funções rotineiramente.

O anúncio que manteve o valor cobrado em R$ 4,05 foi feito em dezembro de 2018, pelo prefeito de Divinópolis, Galileu Machado (MDB).

 

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários