Na semana passada, o jornal Nova Imprensa e o portal Últimas Notícias publicaram uma reportagem enfatizando que a inauguração do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) continua indefinida. A matéria mostrou reclamações de moradores e questionamentos feitos na Câmara Municipal devido à ?cachorrada? que toma conta das ruas de Formiga e que continua a incomodar a população.
A redação entrou em contato com a coordenadora da Vigilância Sanitária, Fernanda Pinheiro Lima, para apurar o posicionamento do órgão sobre o Centro de Controle de Zoonoses construído na fazenda da Prefeitura, na saída da cidade pelo bairro Engenho de Serra. A obra já está pronta desde outubro do ano passado e a previsão era de entrar em funcionamento em janeiro deste ano, mas, até hoje, a inauguração da obra não foi marcada.
Fernanda Lima havia informado que saiu de férias em janeiro e que, quando retornou, estava marcada uma reunião para o dia 4 de março entre ela, o prefeito Aluísio Veloso e a promotora Luciana Imaculada de Paula, mas o prefeito teve que desmarcar o encontro, que foi reagendado para quinta-feira da semana passada (17).
O encontro foi realizado com as presenças da coordenadora da Vigilância Sanitária, da promotora e da Procuradora Municipal, Sandra Micheline, pois o prefeito não pode comparecer. Fernanda Lima contou que foi proposta pelo Ministério Público uma minuta de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) e pediu à redação que fosse feito contato com a procuradora municipal para apurar mais informações.
Em contato com Sandra Micheline, ela disse que o TAC será avaliado pelo prefeito Aluísio Veloso e, em seguida, será encaminhado ao Ministério Público. Questionada sobre o que estabelece o Termo de Ajustamento de Conduta, a procuradora disse que ele dispõe sobre a política de controle de zoonoses no município e que a principal preocupação do MP é evitar o sacrifício de animais, de forma que a eutanásia só seja realizada em casos de animais com doenças que não têm cura.
Ainda segundo Sandra Micheline, para avaliar o TAC, o prefeito vai analisar o material necessário, o pessoal que deve ser disponibilizado e a política adotada pela Secretaria Municipal de Saúde para o funcionamento do Centro de Controle de Zoonoses. O prazo concedido pelo Ministério Público, segundo a procuradora, foi de 10 dias, assim, na próxima semana, a administração municipal tem que dar uma resposta ao MP.
Abaixo-assinado
O assunto dos cachorros e outros animais soltos pelas ruas está dando o que falar e também virou pauta de discussão nas principais redes sociais, com diversos comentários, críticas e reivindicações. Na reunião de segunda-feira (21), os vereadores voltaram a falar sobre o assunto e a cobrar informações e providências. Um abaixo-assinado está sendo feito na cidade em relação ao assunto, com ?pedido de providências ao poder público deste município em relação aos cães de rua, construção de um canil público com cuidados apropriados para estes animais abandonados nas ruas, que o município faça um controle de zoonoses para proteger a população cumprindo com sua obrigação sem infringir os direitos dos animais?.
O documento do abaixo-assinado diz ainda que ?a população está cansada e não aguenta mais o descaso do poder público que ignora e finge que não vê os animais abandonados nas ruas, definhando, sendo atropelados, maltratados, passando sede e fome, com diversos tipos de doenças que põem em risco a saúde de todos?.
No texto do abaixo-assinado é enfatizado ainda que a Prefeitura se conscientize e tome uma atitude em prol dos animais de rua e tente fazer uma parceria com o Unifor para que os cães e outros animais recolhidos sejam assistidos e não jogados em um depósito e que seja evitada a eutanásia, caso seja necessária, que seja feita de acordo com a legislação, de forma indolor, sem crueldade e sem angústia, por um profissional da área, que comprove por meio de laudo a necessidade da morte.

Imprimir
Comentários