No lugar de celas, correntes e algemas. É essa a realidade enfrentada pelos presos na Delegacia de Furtos e Roubos de Patos de Minas, na região do Alto Paranaíba. Por falta de celas no local, eles são mantidos algemados em uma sala enquanto esperam a liberação ou o encaminhamento para um presídio.
Além de não possuir instalações específicas para abrigar os presos, o edifício no qual funciona a unidade está repleto de infiltrações, mofo, encanamentos quebrados, fiação elétrica precária e janelas quebradas, o que expõe policiais e detentos a uma rotina ainda mais degradante. Atualmente, a delegacia é responsável por 14 cidades da região.
O prédio foi construído em 1912 e tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) na década de 90, o que impede grandes intervenções em sua estrutura e, por consequência, submete as possíveis reformas a uma interminável burocracia.
Em 2002, o prédio recebeu nova pintura e reboco completo em toda a fachada. Apesar disso, a estrutura continuou comprometida – por causa do tombamento, não foi possível realizar uma reforma no edifício.
De acordo com o delegado Luiz Mauro Sampaio, várias salas estão inutilizadas ou servem apenas para o depósito de papéis e documentos antigos. O mofo tomou conta de tudo, as janelas estão quebradas e, quando chove, enfrentamos um grande problema de infiltração, declarou Sampaio.
Enquanto espera uma solução, o delegado diz que está de mãos atadas. Todos os presos que recebemos têm de ficar algemados, presos a uma corrente, admite.
Segundo o diretor de Patrimônio Histórico do município, Alex de Castro Borges, a responsabilidade pelo prédio é da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Não podemos reformar sem projeto e autorização do Estado.
Estado diz que não pode intervir
Por meio de sua assessoria de imprensa, a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) alega que somente o Ministério Público Estadual pode autorizar a realização de reformas em edifícios tombados. Nesses casos, de acordo com a Seds, a intervenção deve ser solicitada pelo município.
O delegado Élder Barra Cordeiro afirmou que, até nesta quinta-feira (30), deverá se reunir com a prefeitura para apresentar um projeto de doação do edifício. Queremos passar o prédio adiante para tentarmos conseguir um novo espaço para sediar a delegacia, declarou.

print
Comentários