Nova proposta de orçamento de MG para 2015 prevê déficit de R$ 6 bi

De acordo com o governador Fernando Pimentel (PT), a situação financeira do Estado atualmente é grave.

De acordo com o governador Fernando Pimentel (PT), a situação financeira do Estado atualmente é grave.

O governo de Minas Gerais entregou nesta quinta-feira (12), nova proposta de orçamento para 2015 para a Assembleia Legislativa. A nova versão do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) aponta um déficit de R$ 6,066 bilhões ante um montante negativo de R$ 2,550 bilhões previsto pela gestão anterior, diante de novas avaliações acerca de despesas e receitas.
O governador Fernando Pimentel (PT) avaliou a situação financeira do Estado atualmente como grave. Não temos indicativo de equilibrar receita e despesa num espaço curto de tempo. Aliás, ao contrário, as receitas do Estado nesse começo do ano estão até caindo. Mas vamos nos esforçar para ter equilíbrio até o final de 2015, disse. O governador ainda comentou que refuta qualquer argumento de que a revisão seja devido ao cenário adverso macroeconômico do País.
A gestão anterior superestimou receitas e subestimou despesas. Colocamos esses números num patamar realista e temos um orçamento factível, afirmou. Vamos trabalhar com afinco e seriedade para no final do ano chegarmos ao equilíbrio ou próximo dele, disse, ressaltando que sua equipe sabe trabalhar com dificuldades e que o novo orçamento não ferirá nenhum direito dos servidores públicos.
Números

Pelos novos cálculos feitos pela equipe de Pimentel, a receita fiscal será de R$ 68,348 bilhões e não de R$ 72,427 bilhões, como previra o projeto elaborado pela equipe de Alberto Pinto Coelho (PP). Já as estimativas para as despesas passaram de R$ 72,427 bilhões para R$ 74,415 bilhões. A diferença de nova estimativa de receita fiscal se baseia em um número menor de receitas patrimoniais (dividendos, juros de títulos de renda, entre outros) e de uma diminuição na arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

No caso da receita patrimonial, o secretário de Estado da Fazenda, José Afonso Bicalho, explicou que boa parte dos dividendos recebidos pelo governo oriundos de participações nas estatais (Cemig, Copasa, Codemig, Minas Gerais Participações – MGI, entre outros) foi antecipada e paga em 2014 na forma de juros sobre o capital próprio, além de os lucros das empresas serem menores do que o esperado inicialmente.

Fizemos um levantamento com as empresas para atualizar os dividendos pagos anteriormente e somente em 2013 houve dividendos de R$ 1 bilhão. A primeira projeção de orçamento para 2015 era de R$ 2,8 bilhões em dividendos e agora temos uma estimativa de R$ 500 mil, mais real, disse. A equipe do governo petista prevê uma receita patrimonial para 2015 de R$ 1,135 bilhão ante a de R$ 4,769 bilhões da estimativa da gestão anterior, 4% menor do que a de 2014, em termos nominais.

Ainda sobre as receitas, Bicalho informou que a previsão de arrecadação de ICMS, que responde por 59% de toda a receita anual do governo, passou de R$ 41,652 bilhões para R$ 40,542 bilhões. Essa nova projeção é bem otimista. Porque a arrecadação do imposto vem diminuindo desde o início do ano passado e, se formos olhar os dois primeiros meses deste ano, poderia até ser revista para baixo, disse. Ele também falou que a arrecadação do mês de março será ainda menor pelo número também menor de dias úteis em relação a outros meses, e espera que, a partir de abril, com reajustes de tarifas de energia e combustível, haja uma recuperação na arrecadação dos tributos.

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Nova proposta de orçamento de MG para 2015 prevê déficit de R$ 6 bi

De acordo com o governador Fernando Pimentel (PT), a situação financeira do Estado atualmente é grave.

De acordo com o governador Fernando Pimentel (PT), a situação financeira do Estado atualmente é grave.

 

O governo de Minas Gerais entregou nesta quinta-feira (12), nova proposta de orçamento para 2015 para a Assembleia Legislativa. A nova versão do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) aponta um déficit de R$ 6,066 bilhões ante um montante negativo de R$ 2,550 bilhões previsto pela gestão anterior, diante de novas avaliações acerca de despesas e receitas.

O governador Fernando Pimentel (PT) avaliou a situação financeira do Estado atualmente como grave. “Não temos indicativo de equilibrar receita e despesa num espaço curto de tempo. Aliás, ao contrário, as receitas do Estado nesse começo do ano estão até caindo. Mas vamos nos esforçar para ter equilíbrio até o final de 2015”, disse. O governador ainda comentou que refuta qualquer argumento de que a revisão seja devido ao cenário adverso macroeconômico do País.

“A gestão anterior superestimou receitas e subestimou despesas. Colocamos esses números num patamar realista e temos um orçamento factível”, afirmou. “Vamos trabalhar com afinco e seriedade para no final do ano chegarmos ao equilíbrio ou próximo dele”, disse, ressaltando que sua equipe sabe trabalhar com dificuldades e que o novo orçamento não ferirá nenhum direito dos servidores públicos.

 

Números

Pelos novos cálculos feitos pela equipe de Pimentel, a receita fiscal será de R$ 68,348 bilhões e não de R$ 72,427 bilhões, como previra o projeto elaborado pela equipe de Alberto Pinto Coelho (PP). Já as estimativas para as despesas passaram de R$ 72,427 bilhões para R$ 74,415 bilhões. A diferença de nova estimativa de receita fiscal se baseia em um número menor de receitas patrimoniais (dividendos, juros de títulos de renda, entre outros) e de uma diminuição na arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

No caso da receita patrimonial, o secretário de Estado da Fazenda, José Afonso Bicalho, explicou que boa parte dos dividendos recebidos pelo governo oriundos de participações nas estatais (Cemig, Copasa, Codemig, Minas Gerais Participações – MGI, entre outros) foi antecipada e paga em 2014 na forma de juros sobre o capital próprio, além de os lucros das empresas serem menores do que o esperado inicialmente.

“Fizemos um levantamento com as empresas para atualizar os dividendos pagos anteriormente e somente em 2013 houve dividendos de R$ 1 bilhão. A primeira projeção de orçamento para 2015 era de R$ 2,8 bilhões em dividendos e agora temos uma estimativa de R$ 500 mil, mais real”, disse. A equipe do governo petista prevê uma receita patrimonial para 2015 de R$ 1,135 bilhão ante a de R$ 4,769 bilhões da estimativa da gestão anterior, 4% menor do que a de 2014, em termos nominais.

Ainda sobre as receitas, Bicalho informou que a previsão de arrecadação de ICMS, que responde por 59% de toda a receita anual do governo, passou de R$ 41,652 bilhões para R$ 40,542 bilhões. “Essa nova projeção é bem otimista. Porque a arrecadação do imposto vem diminuindo desde o início do ano passado e, se formos olhar os dois primeiros meses deste ano, poderia até ser revista para baixo”, disse. Ele também falou que a arrecadação do mês de março será ainda menor pelo número também menor de dias úteis em relação a outros meses, e espera que, a partir de abril, com reajustes de tarifas de energia e combustível, haja uma recuperação na arrecadação dos tributos.

 

Redação do Jornal Nova Imprensa Hoje em Dia

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!