As operações de buscas após o desabamento de um prédio onde funcionava uma escola infantil em Lagos, na Nigéria, entra no terceiro dia nesta sexta-feira (15). Oito pessoas morreram, mas o número oficial de desaparecidos ainda é desconhecido.

O número de resgatados com vida também é impreciso. A agência Associated Press afirma que, segundo a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências, 37 pessoas foram retiradas dos destroços. Já a Reuters fala em 50.

Testemunhas relataram que mais de 100 crianças estavam no imóvel no momento em que ele desmoronou. Porém, a gerente-geral da Agência Estatal de Gerenciamento de Emergências de Lagos, Adesina Tiamiyu, negou “categoricamente que houvesse mais de 100 crianças” no local.

Foto: Afolabi Sotunde/ Reuters

Em busca de informações, famílias faziam vigília em um hospital próximo a escola.

Ainda não se sabe o que fez com que o edifício de vários andares desabasse na quarta-feira (13). No local, havia residências, lojas e uma escola.

O governador de Lagos, Akinwunmi Ambode, que visitou o local horas depois do desabamento, afirmou que o edifício era registrado como residencial e que a escola funcionava irregularmente no local. Ele disse ainda que a área vinha passando por testes estruturais antes do acidente.

A Nigéria registra frequentemente colapso de edifícios, resultado de materiais de má qualidade utilizados nas construções e da fraca regulação no setor imobiliário, de acordo com a Reuters.

Em 2016, 160 pessoas morreram no desabamento de uma igreja evangélica no sudeste do país. Em setembro de 2014, 115 pessoas, entre elas 84 sul-africanos, morreram em condições similares em Lagos, quando um templo de um famoso tele-evangelista nigeriano, TB Joshua, desabou durante um culto.

 

IMPRIMIR

Fonte:

G1