O livro O Arroz de Palma, de Francisco Azevedo, é a indicação de leitura desta semana.

O Projeto No Meio do Caminho tem um Livro é realizado pelas bibliotecas públicas de Formiga.

.O livro lançado em 2017 tem em sua capa o arroz dentro de uma forma de alumínio em forma de coração, rendinhas nas prateleiras antigas, na borda.

Nestes detalhes da capa, você já consegue ter a ideia do encantamento presente em suas páginas, contando a saga de 100 anos de uma família portuguesa que migrou para o Brasil. A história é toda narrada pelo personagem principal, Antônio, o primogênito dos 4 filhos de José Custódio e Maria Romana.

 Tudo que ele narra no livro são as lembranças que lhe vêm à mente e ao coração quando, aos 88 anos, se encontra na cozinha de sua casa preparando um grande almoço de família em comemoração de seus 88 anos, e também pelo aniversário de 100 anos do casamento de seus pais, já falecidos.

Nas primeiras páginas já conseguimos sentir o gostinho desse “arroz”:.

Velho é criança de fôlego diferente. Já não lhe interessam as correrias nos jardins, o sobe e desce das gangorras, vaivém dos balanços. É tudo muito pouco. O que ele quer agora é desembestar no céu, soltar os bichos que colecionou a vida inteira. Os bichos todos – domésticos, selvagens, úteis e nocivos. Os pesados répteis que ainda guarda no coração e as borboletas, peixes e passarinhos, tudo solto lá em cima!”

Antônio é um personagem apaixonante: cozinheiro de profissão, tem a imaginação fértil e vive divagando em suas memórias e devaneios. A história toda gira em torno de um “arroz”. No dia do casamento de seus pais, uma chuva torrencial de arroz cai em cima deles, e a Tia Palma, irmã de José Custódio, recolhe do chão todo o arroz e dá de presente aos recém-casados: 12 quilos de arroz!

Este arroz – plantado na terra, caído do céu como o maná do deserto e colhido da pedra – é símbolo de fertilidade e eterno amor. Esta é a minha bênção”.

A cunhada encanta-se, mas o irmão irrita-se profundamente com o presente. Esse é o ponto de partida da história. O arroz, místico e sagrado, não estraga. Acompanha os dois na migração para o Brasil, o nascimento dos filhos, as gerações que vão se sucedendo… tudo num texto descontraído, de um humor inteligente e ensinamentos, saboroso como uma receita preparada com carinho, afinal:

“Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes. “

É uma história de uma família comum, parecidíssima com qualquer uma: a minha, a sua… Casamentos, nascimentos, brigas, separações, intrigas, festejos e mortes. Mas tudo com um tempero muito especial: o carinho do autor que escreve muito bem em prosa poética.

.“…Tantas questões por responder. Afluentes de um só rio somos todos, acredito. Artérias de uma só veia que deságua no coração. Bela missão esta que nos foi dada: a de nos criarmos e recriarmos pacientemente a cada dia. Sem que o sangue jamais nos suba à cabeça, é o que peço. Família somos todos.”

O livro está disponível para empréstimo na Biblioteca Pública dr. Sócrates Bezerra de Menezes.

print
Comentários