O Brasil é considerado um grande formador de talentos no futebol e no mundo da bola, já conquistou diversos títulos mundiais e tem jogadores idolatrados no mundo todo, como Pelé, considerado por muitos como “Rei Pelé”.

Agora o país vive um rufar de tambores no mundo da bola, não a bola redonda e sim a carreada para corromper as pessoas e obter vantagens ilícitas, vindas a público nas investigações de atos de corrupção e, assim, se deslumbra outro país da bola, da propina, do desvio do dinheiro público e mesmo privado.

Os exemplos estarrecem as pessoas mais céticas no assunto.

As empresas ditas honestas estão envolvidas e participaram diretamente de esquemas milionários e até bilionários de corrupção. Com isto, a imagem, a reputação e a competência delas estão sendo questionadas, porque se descobre agora que advém muitas vezes de esquemas de corrupção.

As diversas formas de operação da corrupção são inventivas, desde setores especializados em emitir notas de serviços não feitos e que são cobrados, divisão do dinheiro entre partidos e políticos, compra de medicamentos vencidos e logo incinerados, desvio de merenda escolar, envio de equipamentos da prefeitura para fazer trabalhos em propriedades particulares, prestação de consultoria para esquentar e desviar dinheiro de corrupção, empréstimos fictícios, entre outros.

É possível entender as primeiras ações efetuadas por todo partido que alça o poder. As ações geralmente são para rever diversas práticas e entre elas será feita a revisão dos contratos (manutenção, aquisição, etc.), dizendo-se ter a única intenção de diminuir custos e obter maior eficiência da administração, mas implícito nestas ações existe sempre a revisão da forma de envio do dinheiro da corrupção para novos atores, novas contas, novos esquemas.

Não se tem noção dos prejuízos causados pela bola e propina pagas, mas está entranhada em diversos setores brasileiros, inclusive na iniciativa privada. Por exemplo, quando a empresa profissionaliza o setor de compras, geralmente os fornecedores mandam brindes e com isto pretendem obter a preferência nas compras. Há também o caso dos fornecedores solicitarem aos gerentes definir locais de destaques para os seus produtos e oferecem agrados diversos para obterem estas benesses.

Este é o país do “jeitinho”, da pergunta sempre efetuada de “como podemos solucionar isto”, onde os homens pagos para cuidar da coisa comum criam dificuldades para poder vender facilidades, onde todos pagam mais caro para poder arcar com propina e uns poucos se locupletam com a miséria e a dificuldade do homem comum.

É obrigatório se proceder à devida investigação e punição dos culpados, pois tenho certeza da existência de pessoas honestas e corretas nos órgãos, as quais devem ser valorizadas e respeitadas. No futuro, espero ter um país melhor, menos corrupto, mais assertivo, valorizador das pessoas probas e das atitudes corretas.

print

Comentários