Mandados de prisão e apreensão foram cumpridos em Formiga e Divinópolis na manhã desta quarta-feira (17).

A operação “Poltergeist” é resultado de uma investigação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) contra o tráfico de drogas e a venda de relógios de luxo roubados na região.

Até o momento, dez pessoas foram presas em Formiga e uma na cidade Monte Azul (SP). A operação do MPMG ocorre por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Divinópolis. A ação tem o apoio das policias Civil e Militar.

De acordo com o promotor de Justiça Ângelo Ansanelli Júnior, a operação teve início em abril a partir da prisão de uma pessoa suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas.

“A partir dessa  prisão nós começamos a descobrir um esquema envolvendo a receptação de relógios de luxo. E durante o desdobramento das investigações fizemos a prisão de mais três pessoas, que estão ligadas a esse primeiro alvo já preso. Além disso, apreendemos com dois dos investigados cerca de 11 quilos de maconha e cocaína”, disse.

Ainda segundo o promotor, com a prisão destas quatro pessoas o Gaeco chegou a outros envolvidos.

“Hoje [quarta-feira] fizemos prisões em Formiga e com o apoio do Gaeco de São Paulo fizemos uma prisão lá. Ao todo expedimos 17 mandados de prisão e cumprimos praticamente todos”, afirmou.

A Operação foi batizada de “Poltergeist” em alusão ao apelido do primeiro suspeito preso.

Relógios de luxo

Em relação ao esquema de venda de relógios de luxo, o promotor explicou que durante as investigações referentes ao tráfico de drogas descobriu-se que a quadrilha estava revendendo relógios de luxo roubados.

Segundo Ângelo, o Gaeco trabalha para recuperar esses objetos e está apurando de onde eles foram roubados.

 

 

 

Fonte: G1||

print

Comentários