Por Priscila Rocha 

A greve dos caminhoneiros tem causado reflexos nas cidades da região Centro-Oeste de Minas. Diversos setores foram afetados com a paralisação que teve início na segunda-feira (21).

Os caminhoneiros fazem protestos em rodovias estaduais e federais. Em Formiga, a manifestação ocorre no km 203 da rodovia MG-050, no Posto Planalto. Em Arcos, três pontos de protestos foram registrados na BR-354, além de trechos de rodovias que cortam Córrego Fundo, Divinópolis, Oliveira e Luz. Os atos, que estão ocorrendo por todo o país, são contra a disparada do preço do diesel que faz parte da política de preços da Petrobras, em vigor desde julho do ano passado.

A greve segue por tempo indeterminado ou até que o Governo atenda as demandas da categoria. Há registros de greve nas rodovias MG-050, LMG-830 e BRs 262, 494, 352 e 381.

Em Formiga os caminhoneiros fecharam a MG-050 na manhã de quarta-feira (23). De acordo com o caminhoneiro Samuel Fonseca, que trabalha em uma empresa formiguense, no local estão passando apenas caminhões com cargas vivas, produtos perecíveis e remédios, além de veículos de passeio e ônibus.

Ainda segundo Samuel, os caminhoneiros da cidade montaram uma equipe no local para auxiliar os manifestantes. “Improvisamos uma cozinha e serviremos lanches para os manifestantes”, finalizou.

Formiga

Os estoques de combustíveis nos estabelecimentos da cidade se esgotaram nessa quinta-feira (23) após motoristas correrem para abastecer. Na quarta-feira (22) imensas filas se formaram nos postos da cidade.

O transporte coletivo não foi afetado, de acordo com o gerente-geral da Viação Campo Belo e Viação Formiga, Haroldo Goulart Rabelo, há estoque de combustível suficiente para garantir o transporte urbano e o intermunicipal.

As viações Nossa Senhora do Carmo e Santafé/São José, responsáveis pelas viagens intermunicipais entre Formiga e as principais cidades da região e para a capital Belo Horizonte, também garantiram que as viagens não serão interrompidas.

Dos três supermercados da cidade, em dois, os estoques de alimentos perecíveis, como hortifrutigranjeiros, estão em baixa. Para não deixar os clientes sem os alimentos, os estabelecimentos estão negociando com os produtores da região.

Em relação aos produtos não perecíveis, os estabelecimentos possuem um estoque médio e, por enquanto, ainda não há risco de falta.

Orientações

Por meio de nota, o Procon de Formiga orientou a população sobre como proceder em caso de prática abusiva por parte de comerciantes.

O órgão informa que os estabelecimentos comerciais não podem se aproveitar da escassez de determinado produto para aumentarem os preços. De acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, isso configura prática abusiva.

O Procon alerta que os consumidores devem ficar atentos, exigirem a nota fiscal e procurarem o órgão, caso presenciem essa situação. Os consumidores que se sentirem lesados ou necessitarem de algum esclarecimento devem comparecer ao Procon de Formiga, que está situado no Terminal Rodoviário, sala 02, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, de 8h as 11h30 e de 12h30 às 17h. O telefone de contato é o (37) 3329-1830.

Imprimir

Comentários