O vereador Eugênio Vilela/PV, ex-líder de governo na Câmara, pediu o trancamento da pauta de votações do Legislativo durante a reunião ordinária desta segunda-feira (28).
Dr. Reginaldo confirmou na coletiva que a pauta está trancada e somente projetos enviados em caráter de ?urgência urgentíssima? ou que possam trazer prejuízos para a comunidade serão votados, ainda assim, pedirá à assessoria jurídica da Câmara para analisar a real urgência do projeto.
Essa foi a forma que os vereadores do G5 (Dr. Reginaldo/PCdoB, Cabo Cunha/PMN, Mazinho/DEM, Eugênio Vilela/PV e Cid Corrêa/PR) encontraram para serem ouvidos pelo Executivo, pois alegam que estão sendo boicotados e os seus pedidos e projetos não estão sendo atendidos.
Segundo o presidente da Câmara, o Executivo tentou isolar e destruir o chamado G6 (que tinha a presença de Edmar Ferreira/PT), grupo que, segundo Dr. Reginaldo, estava ao lado do prefeito, até que se chegou a uma ruptura. ?A gente está fechando por um lado, mas estamos abrindo um canal de interlocução por outro? , ressaltou.
Como garantiu Dr. Reginaldo, há sim oposição na Câmara, feita pelos vereadores do G5, mas salienta que é oposição ao governo e não à cidade. O presidente alegou que somente os vereadores do G4 (Gonçalo Faria/PSB e os peemedebistas Mauro César, Rosimeire Mendonça e Moacir Ribeiro) estão sendo atendidos pelo Executivo e que a administração municipal teria comprado dois carros para atendê-los.
O presidente enfatizou que o pedido do vereador Eugênio Vilela foi racional e não emotivo e que o destrancamento da pauta vai depender da sensibilidade do Executivo.
Entenda sobre o trancamento
Ao usar a Tribuna do Povo na reunião desta segunda-feira, o vereador Eugênio Vilela fez uma apresentação em slides de obras inacabadas e reivindicações da população. Ele questionou a paralisação da reforma na praça do Cemitério do Santíssimo, que tinha prazo de 120 dias para a finalização das obras, e falou ainda sobre a pavimentação da Avenida JK, no bairro Engenho de Serra. ?Isso é permitido, deixar obras inacabadas??, questionou.
O vereador citou ainda a situação das ruas Uruguai, no bairro Ouro Negro, e Brandão de Castro, no bairro Santa Luzia, que precisam de obras urgentes. Eugênio Vilela ressaltou que, em 2001, o prefeito Aluísio Veloso/PT teria chamado a administração de Juarez Carvalho de ?feijão com arroz?, por ser uma administração extremamente simples e falou que, na atual gestão, certas situações continuam na mesma, como é o caso da rua Uruguai.
Dr. Reginaldo salientou: ?vamos trancar a pauta sim, e vale ressaltar para os secretários que todos os projetos estão tendo prazo legal e com tramitação em tempo curtíssimo. A partir da reunião de hoje [segunda-feira, 28], ela [a pauta] está trancada.?
Cid Corrêa/PR, que é o líder do G5, disse que o Executivo deveria parar com ?essa bobagem de ficar boicotando os projetos? . O vereador citou ainda a anulação do projeto de construção de um reservatório no bairro Novo Horizonte e Bela Vista. ?Se não aprovarmos, vários servidores deixarão de receber o vale alimentação e isso é uma sacanagem? .
De acordo com o líder do G5, o Legislativo não vai abrir mão de determinados projetos, como a iluminação da trincheira, o centro de educação infantil no bairro Nossa Senhora Aparecida, acabar com a falta de água em determinados bairros, além da solução do problema na rua Uruguai. ?A Ouvidoria do Executivo não funciona, então, teremos a Ouvidoria do Legislativo?, garante.
José Geraldo da Cunha (Cabo Cunha/PMN) enfatizou que o bairro Nossa Senhora de Lourdes se encontra sem água há dias e queria que o prefeito ou um dos secretários passassem por isso e ficassem sem água em suas casas. ?O Executivo gasta dinheiro com coisas desnecessárias, como a reforma da praça do Cemitério, no valor de mais de R$ 200 mil?.

Imprimir
Comentários