Na manhã de quinta-feira (17), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu quatro suspeitos por crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes na capital. Dois homens foram presos no bairro Piratininga, outro na região do Barreiro e o quarto em Vespasiano, na Região Metropolitana.

A ação, desencadeada pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, faz parte da primeira fase da operação Acalento, coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública do Governo Federal. Segundo o chefe da Divisão Especializada de Orientação e Proteção à Criança e ao Adolescente (Dopcad), delegado Felipe Falles, outras ações serão desenvolvidas para compor a operação de âmbito nacional. “Até 16 de julho, a Dopcad vai intensificar atuações repressivas de combate aos crimes contra crianças e adolescentes. Não apenas os crimes sexuais, como também crimes de violência física e psicológica”, ressalta.

Prisões

Dois dos homens presos são irmãos gêmeos, de 20 anos, investigados por um estupro coletivo contra uma adolescente de 15 anos. O crime aconteceu no bairro Piratininga, mesma região onde os fatos aconteceram em maio deste ano. A jovem contou que estava “saindo” com um dos irmãos e que consentiu ter relação mais íntimas com um deles. No entanto, o homem teria chamado, para o mesmo quarto, o irmão e outros quatro amigos que a forçaram a ter relações sexuais e atos libidinosos contra a sua vontade. Segundo apurado, os irmãos ameaçaram a adolescente e a família dela caso alguma denúncia fosse feita. Em depoimento, os investigados negaram os fatos e, como contou o delegado responsável, Diego Lopes, eles tentaram desqualificar a vítima. Os outros envolvidos no crime serão indiciados pela PCMG por estupro.

Entre as prisões realizadas nessa fase da operação, está a de um pai investigado por abusar da filha, de 11 anos. O homem, preso na região do Barreiro, trabalha como monitor em uma escola, o que motivou ainda mais o pedido de prisão preventiva. A delegada do caso, Thais Degani explica que a prisão desse homem tem duas importantes finalidades: “Com a prisão desse suspeito, afastamos a possibilidade de novos abusos contra a filha e ainda garantimos o afastamento dele de outras crianças que poderiam se tornar vítimas desse abusador”.

Já o preso em Vespasiano, um homem de 50 anos, foi investigado pela PCMG por abusar da sobrinha, dos 7 aos 9 anos de idade, em 2017. A mãe da menina buscou atendimento psicológico após notar comportamentos estranhos por parte da filha, inclusive, com automutilações pelo corpo. Para a psicóloga, a menina relatou ter sido abusada pelo tio, o que motivou a investigação policial. Devido a condenação judicial em primeira instância, e por estar em local incerto, foi expedido mandado de prisão preventiva contra o tio da vítima.

Fonte: Policia Civil

Imprimir
Comentários