Redação Últimas Notícias 

A paralisação dos caminhoneiros afetou diversos serviços no país, a falta de combustíveis, hortifrutigranjeiros e de gás de cozinha foram as mais sentidas pelos consumidores. Em Minas Gerais os estoques de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Residencial, mais conhecido como gás de cozinha, se esgotaram na quinta-feira (31), segundo a Associação Brasileira dos Revendedores de Gás.

Em Formiga o produto chegou às revendedoras apenas no sábado (2). A maior preocupação dos consumidores era em relação ao preço do produto.  Alguns sites de notícia anunciaram que a Petrobras iria aumentar o preço do GLP em 8,9%, no dia 5 de junho.

De acordo com a Petrobras a informação é falsa, visto que desde janeiro deste ano, os reajustes no preço do gás de cozinha ocorrem a cada três meses.

Desta forma, como o último reajuste no preço do gás aconteceu em abril, quando o valor foi reduzido em 4,4%, a próxima mudança no valor do gás só irá ocorrer em julho. De acordo com a estatal, o gás de cozinha para ser comercializado em botijões de 13 quilos tem o preço de venda formado pela média das cotações dos gases butano e do propano no mercado europeu, mais uma margem de 5%.

O cálculo do percentual de ajuste irá considerar as variações das cotações desses produtos e do câmbio nos doze meses anteriores, a partir do quarto trimestre de 2018. Até lá, vale uma regra de transição pela qual o período de apuração das cotações e do câmbio será gradativamente ampliado, passando de seis meses para nove meses, para então atingir doze meses.

 

 

Fonte: Com sites de notícias ||

print

Comentários