Uma quadrilha que supostamente vendia vagas falsas na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foi alvo da Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira. A corporação, que investiga a ação criminosa há um ano e meio, cumpriu três mandados de busca e apreensão nesta manhã em municípios e estados diferentes: Contagem, em Minas Gerais, Goiânia, em Goiás, e na cidade do Rio de Janeiro.

Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Federal de Belo Horizonte, cidade sede do Campus Saúde da UFMG, onde se localiza a Faculdade de Medicina. A PF informou que supostos estelionatários usavam documentos falsificados, com timbre e assinaturas não originais de servidores da instituição.

A corporação também informou que, muitas vezes, os negócios eram fechados nas dependências da Faculdade de Medicina, para dar mais credibilidade ao ato criminoso. Os “clientes” pagavam com dinheiro e até com bens materiais, como carros, até descobrir que tinham caído em um golpe.

De acordo com a PF, mais de R$ 1 milhão foi movimentado entre as contas investigadas. Além da busca e apreensão, a Justiça determinou o bloqueio de bens de investigados.

Os investigados poderão responder por crimes de estelionato, falsificação de documento, uso de documento falso e associação criminosa. A UFMG ainda não se pronunciou sobre esta etapa da operação da PF, batizada de “Hipócrates”.

Matéria do Estado de Minas

Imprimir
Comentários